Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Comércio: China insiste, bilinguismo vantagem competitiva
Quinta, 25/04/2013

O vice-ministro chinês do Comércio, Wan Chao, esteve hoje em Macau num seminário dedicado ao investimento na China para este ano em que reforçou as expectativas no que considera ser a vantagem concorrencial do território – o bilinguismo e a criação de quadros qualificados bilingues.

 

“Macau tem várias vantagens”, começou por afirmar Wan Chao. Além da geografia, “tem a MICE que pode ter um futuro ainda mais brilhante, e quadros qualificados de língua chinesa e portuguesa. Esta é uma vantagem”, sublinhou, que “já fez com que a China tivesse uma relação mais estreita com vários países lusófonos”. “Espero que possa continuar a desenvolver essa plataforma”. Francis Tam parece ter adivinhado o que ia dizer o vice-ministro porque na sessão de abertura tocou exactamente na ideia de Macau como plataforma de comércio, lazer e serviços.

 

“Macau está a empenhar-se na construção de um centro mundial de turismo e lazer e de plataforma regional de serviços comerciais com destaque para a construção da plataforma de serviços para a cooperação entre a China e os países de língua oficial portuguesa na área comercial”, frisou o governante.

 

O secretário recordou dez anos de Cepa - o acordo de liberalização de comércio e serviços entre a RAEM e a China continental - em que o valor das exportações ascende aos 400 milhões de patacas. Um activo que Rita Santos, secretária-geral adjunta do Fórum Macau, reconhece da maior importância nas relações dos empresários dos países de língua portuguesa com Macau e com o Interior da China. Aquela responsável  recorda que as Universidades locais estão a apostar no bilinguismo e também na formação desses quadros especializados de que falou o vice- ministro.

 

Na lista de intervenientes estava também  Zhou Yiren, o dirigente da Comissão chinesa para a Economia Regional. Explicou que o futuro das áreas especiais como a Ilha da Montanha e Nanshan depende da definição das regras de investimento e exploração. Por este seminário, no World Trade Centre, passaram vários empresários e advogados da RAEM. David Chao esteve lá. Neto Valente também.