Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Sexta-feira)
Sexta, 19/04/2013

Fichas falsas num casino, a defesa do património de Macau e a explosão numa fábrica do Texas são temas que hoje estão em destaque nas primeiras páginas dos jornais da região.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio puxa hoje para manchete por um caso de polícia: há notas falsas de 100 yuan a circular em Macau. O matutino conta ainda que um homem da Coreia do Sul foi detido pela Polícia Judiciária por ser suspeito de utilizar fichas de jogo falsas no MGM. O casino terá sido burlado em um milhão de patacas.

 

O Ou Mun opta hoje por um assunto da actualidade internacional como destaque principal, com um texto sobre a explosão ocorrida ontem numa fábrica de fertilizantes dos Estados Unidos. Quanto às notícias locais, o diário relata um assalto ao depósito de combustíveis de Ka Ho – dois homens são acusados de terem roubado dois mil litros de diesel – e dá também espaço ao caso das fichas falsas no MGM.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A estação tem estado esta manhã a dar conta do aviso da Capitania dos Portos. A visibilidade no mar é fraca, devido ao nevoeiro, pelo que as autoridades aconselham cuidado na navegação. A Ou Mun Tin Toi faz ainda referência às 100 personalidades escolhidas pela Time. Xi Jinping e Barack Obama fazem parte do grupo de eleitos da revista norte-americana.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

Na manchete do Ponto Final lê-se “Longe do futuro”. “Os advogados em Macau estão nesta altura concentrados no debate sobre o seu estatuto e as regras de acesso à profissão.” Mas, diz o jornal, “há outra reflexão por fazer, sobre a gestão dos escritórios e a internacionalização com base tecnológica”. Outro tema a merecer grande destaque na capa: “Bairros antigos a cair”. A Assembleia Legislativa quer deixar cair nesta legislatura a votação do regime de reordenamento das zonas urbanas, em discussão desde 2011.

 

No Hoje Macau, a manchete faz-se com o “Silêncio em Ka-Hó”. O Governo “reverteu 30 terrenos em três anos e está a analisar mais 15 casos, mas sobre Coloane e a Casamata, nem uma palavra”. Outros títulos: Au Kam San acusa José Chu de atropelar a lei no caso da fibra óptica e Shuen Ka Hung quer fomentar o uso do inglês para dinamizar o mercado de trabalho.

 

“Defendida pena de prisão para operários ilegais”, explica o Jornal Tribuna de Macau, que cita Mak Soi Kun. O deputado considera injusta a responsabilização de construtores. Outros temas a merecerem chamada de primeira página: “Angela Leong quer fim dos ‘plásticos assassinos’” e “Mulheres em luta por licença de paternidade”.  

 

No Clarim, “Por Cristo, Com Cristo, em Cristo!”. A manchete do semanário católico é a propósito do Dia Mundial das Vocações, que comemora meio século. O jornal tem em destaque ainda Manuel da Silva, especialista em electricidade, que diz que a legislação não acompanhou o boom urbanístico.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily cumpre hoje o primeiro aniversário e, por isso, tem uma edição especial. O económico faz as contas à corrida ao imobiliário.

 

No Macau Daily Times lê-se na manchete que a Assembleia exige leis de planeamento urbanístico e de protecção do património que sejam coerentes. Noutro tema em foco, informa-se que a música do mundo está de regresso a Beishan, numa referência ao festival que se realiza em Zhuhai amanhã e domingo.

 

O Macau Post Daily tem a primeira página dominada por uma notícia da actualidade local: coreano foi apanhado com fichas de jogo falsas. O suspeito diz que as encontrou numa casa de banho.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Hoje só está disponível o South China Morning Post, que publica uma fotografia a todo o comprimento da página da destruição causada pela explosão na fábrica do Texas, com o título “Mais como se fosse uma zona de guerra”. A manchete é dedicada aos planos da China em relação ao yuan: existe a intenção de mudar o sistema cambial, de modo a dinamizar a reforma financeira.

 

Nas edições online dos outros jornais que se publicam em Hong Kong, o Standard destaca que há equipas de resgate à procura das seis pessoas que desapareceram na sequência de uma colisão entre duas embarcações perto de Stanley.

 

“Hong Kong precisa de manufactura local”, lê-se no China Daily. O jornal alerta para a necessidade de a região apostar em novos sectores para dinamizar o desenvolvimento económico, garantir postos de trabalho e promover a mobilidade social.