Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 10/04/2013

As divisões na Concertação Social sobre o salário mínimo e as limitações à propaganda política para as eleições legislativas de Setembro dominam as primeiras páginas dos jornais em língua portuguesa de Macau.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

No jornal Va Kio, o presidente do Fundo de Segurança Social, Ip Peng Kin apresentou ontem um projecto sobre o aumento dos montantes dos subsídios. Prevê-se, anualmente, mais 15 milhões.

 

O jornal destaca ainda a reunião do Conselho Permanente de Concertação Social. Não há acordo para o salário mínimo. Foi ainda discutido o aumento do limite máximo da indemnização por despedimento sem justa causa. Outra notícia da primeira do Va Kio diz que o Chefe do Executivo vai à Assembleia Legislativa no dia 25 de Abril para responder às perguntas dos deputados.

 

No jornal Ou Mun, o maior foco é apontado a quatro acidentes de viação. 17 feridos, é o saldo. O diário também destaca notícia de que o Fundo de Segurança Social planeia aumentar o montante de cinco subsídios – subsídio de de desemprego, de doença, de nascimento, de casamento e de funeral. Um aumento  superior a 60%.

 

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

Ou Mun Tin Toi faz notar que o montante da Previdência dos Trabalhadores dos Serviços Públicos atingiu cerca de 5 mil milhões de patacas no final de 2012, mais mil e 300 milhões do que no início de 2012.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

No Ponto Final, o destaque da primeira página é dado à previsão meteorológica dos tufões para este ano. “Tufões no horizonte” é o título com uma foto de uma rua inundada. A manchete “Proibido não sei o quê” realça os limites impostos pela Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa à propaganda política para as eleições de Setembro.

 

No Hoje Macau, a manchete “Encalhados” refere-se ás divisões na Concertação Social sobre salário mínimo.

 

O Jornal Tribuna de Macau também destaca o problema do salário mínimo – “Salário Mínimo só para alguns”, mas a grande foto é reservada ao acordo entre o hospital Kiang Wu e uma clínica de Hong Kong para a troca de médicos.

 

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post faz a manchete com o empenho de Xi Jinping em tornar os mares mais seguros para os pescadores. Trata-se da visita surpresa do presidente a uma vila de pescadores, em Hainão.

 

Ainda sobre a morte de Margaret Thatcher, o jornal escreve na primeira que o papel da antiga primeira-ministra britânica na transferência de Hong Kong merece elogios em toda a China.

 

No jornal The Standard a primeira é dominada pelo aviso de Kim Jong Un – “Saiam”, diz o ditador norte-coreano aos estrangeiros que vivem na Coreia do Sul, ameaçando com uma guerra nuclear.

 

O China Daily, o jornal oficial chinês em língua inglesa, dá o maior destaque às negociações estratégicas entre a China e a Austrália. Foi autorizada a negociação directa de moedas dos dois países.

 

Ainda em foco uma sondagem sobre Hong Kong. As maiorias dos residentes do território mostram-se contra o movimento “ocupy central – uma forma de protesto escolhida para reclamar reformas políticas.