Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Sereno pede apoio à comunidade para projectar Portugal
Sábado, 06/04/2013

O novo cônsul de Portugal em Macau definiu como um dos seus principais objectivos “dar a conhecer” Portugal. Vítor Sereno, numa carta dirigida à comunidade radicada no território, apela ao contributo dos portugueses de Macau “para o reforço da imagem de Portugal” na região.

 

O cônsul lembra que Portugal e Macau estão ligados “há cerca de cinco séculos” e Macau é um "lugar muito importante" para o país, que teve de pedir ajuda externa "para evitar uma grave situação financeira”.

 

Na carta, Vítor Sereno sublinha que "todos os portugueses e associações de portugueses podem e devem dar para o reforço da imagem de Portugal em Macau", numa ajuda que, diz, "pode ser dada de várias formas, quer seja informando os residentes no território sobre a realidade portuguesa, encorajando o investimento e o turismo, promovendo as exportações, e estimulando cada vez mais o uso da língua portuguesa".

 

A importância da língua portuguesa é reiterada por Vítor Sereno, que lembra que além de ser também “língua oficial da RAEM” é a “terceira mais falada da Europa ocidental e a quinta mais falada no mundo, com mais de 260 milhões de falantes”. “Pela primeira vez em muitas décadas, constitui hoje um instrumento activo da diplomacia económica rumo aos mercados emergentes”, acrescenta.

 

Vítor Sereno deixa ainda uma palavra para os jovens que, diz, são a “geração mais bem preparada, técnica e intelectualmente” de sempre de Portugal. Por isso, o cônsul deseja estimular a sua participação e das respectivas associações na vida do consulado de Portugal em Macau. “Quero que sejam dos primeiros a dar o exemplo. Sem o vosso entusiasmo todos estes objectivos atrás enumerados seriam manifestamente contraditórios e inconsequentes", afirma.

 

A terminar a missiva, Vítor Sereno diz querer estabelecer com todos os cidadãos portugueses residentes em Macau "um pacto de confiança, responsabilidade e abertura".