Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Governo “estima menos a natureza do que portugueses"
Quarta, 27/03/2013

O Governo foi duramente criticado esta tarde por Paul Chan Wai Chi, na Assembleia Legislativa, a propósito do projecto de construção de várias torres residenciais em Coloane, junto ao complexo de habitação pública de Seac Pai Van.

 

O deputado da Associação Novo Macau diz que a população recebeu “surpreendida” a notícia do projecto e que “acusa os membros do Governo da RAEM de estimarem menos a natureza do que o Governo português”.

 

De acordo com Paul Chan Wai Chi, “ficámos a saber que é possível construir mais de 40 prédios com uma altura máxima de 100 metros na estrada do Campo, de Coloane, notícia que deixou a população completamente surpreendida.” A admiração, acrescentou o deputado, deve-se também ao “grande poder do Governo, que até permite aos empresários a destruição de montanhas para a construção de edifícios.”

 

Paul Chan Wai Chi acusa ainda o Executivo de cooperar com as empresas na destruição dos espaços verdes de Coloane: “O poder corrompe e a ganância leva ao desnorte. Coloane é a última área verde de Macau. Caso o Governo descure as opiniões dos cidadãos e coopere com as empresas construtoras autorizando os seus projectos e ainda que destruam as montanhas, só levará ao aumento do descontentamento.”

 

No período antes da ordem do dia, a habitação foi tema abordado por vários deputados, numa altura em que, oito anos depois, os residentes podem novamente candidatar-se à habitação económica.

 

O deputado Ho Ion Sang, da União Geral das Associações dos Moradores, sublinha que as regiões vizinhas já tomaram medidas concretas para estabilizar o preço do imobiliário, enquanto o Governo de Macau está a marcar passo: “Como é que os residentes conseguem resolver os seus problemas através da habitação do mercado privado? Na actual política habitacional, não há objectivos claros nem planificação a longo prazo.”

 

Kwan Tsui Hang também levou o concurso para habitação económica ao plenário. A deputada destaca os preços cada vez mais proibitivos das casas, e acusa o Governo de não ter ainda uma política viável para a distribuição de habitação pública.

 

De preços proibitivos falou também Lam Heong Sang, que solicita “veementemente ao Governo que aumente de imediato o montante do salário mínimo aos serviços de segurança e limpeza adjudicados ao Governo, e que aumente também o limite máximo do subsídio complementar ao srendimentos do trabalho, apara atenuar a pressão sentida por aqueles trabalhadores.”