Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

José Isaac Duarte: Macau pode tornar-se num bairro de Zhuhai
Sábado, 23/03/2013

Macau corre o risco de se tornar num bairro de Zhuhai se não se apostar num modelo político mais moderno. O alerta é deixado pelo economista José Isaac Duarte, convidado desta semana do programa Rádio Macau Entrevista.

 

"Macau se adia, de alguma forma. E quanto mais se adia, nesse plano de uma dinâmica de reflexão, de criação de processos e procedimentos mais abertos e mais fundamentados da Administração Pública, e de decisão política mais moderna, mais complica o seu próprio futuro como espaço autónomo”, defende. “Daqui a uns anos Macau pode ser aquele bairro de Zhuhai onde as pessoas podem ir às massagens e ao jogo”, avisa o economista.

 

José Isaac Duarte sublinha que “a identidade de Macau existe se existirem cá pessoas que se identifiquem com a identidade de Macau, com a sua história e com as relações sociais que se estabeleceram”. Neste contexto, fica o aviso: “Se se desarticulam as relações sociais ao nível dos bairros e da cidade, se as pessoas são obrigadas a remover-se para outros sítios, se as ligações sociais e económicas são desarticuladas, existe uma cidade que são pedras, mas já não existe uma cidade no sentido sociológico da palavra”.

 

Entrevistado pelo jornalista Gilberto Lopes, o economista critica o modo como Macau se desenvolveu nos últimos anos. O crescimento trouxe vantagens, reconhece José Isaac Duarte, mas os residentes têm hoje uma pior qualidade de vida. "Em média, as pessoas em Macau ganham mais. Houve ganhos significativos nalguns sectores, o que obviamente deve ser reconhecido”, começa por dizer. “Mas do ponto de vista da nossa vivência colectiva e da utilização do espaço, Macau está substancialmente pior do que há dez anos. Está mais poluída, mais congestionada, tem muitos menos espaços verdes, está com piores serviços, está com pior assistência médica”, enumera. “Há pontos bons aqui e ali? Claro que há. Mas é inegável que a situação global, do ponto de vista da qualidade de vida dos residentes, se alterou significativamente."

 

A entrevista a José Isaac Duarte está disponível neste site.