Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Sexta-feira)
Sexta, 22/03/2013

Tribunais e ambiente são alguns dos temas em destaque hoje na imprensa portuguesa de Macau. Já nos jornais de Hong Kong a questão da falta de terrenos para a habitação continua a dominar as primeiras páginas.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio noticia hoje que os Serviços de Alfândega detectaram 658 produtos falsificados e deteve dois proprietários e cinco empregados de lojas de roupa. As autoridades encerraram ainda cinco estabelecimentos por venderem produtos falsificados. O jornal conta ainda que um homem é acusado de tentativa de homicídio, depois de ter ferido o irmão com uma garrafa de vidro.

 

No jornal Ou Mun o destaque vai para o caso do homem que feriu o irmão com uma garrafa de vidro. O diário conta que o irmão pediu para diminuir o volume da televisão, mas o homem não gostou.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

O canal chinês da Rádio Macau dá conta das declarações do Instituto de Habitação sobre os problemas da habitação económica. O organismo diz que os problemas de qualidade não são estruturais, antes descuidos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Milionários ao fundo na bolha tecnológica” escreve o jornal Ponto Final. Ambrose So e Chui Sai Cheong investiram numa empresa tecnológica, com sede em Portugal e ramificações em Macau, que chegou a ganhar prémios, mas a 3D Citeis acabou em tribunal. Em foco ainda no diário Jeffrey Sachs, conselheiro das Nações Unidas e um dos mais importantes economistas da actualidade, que criticou o proteccionismo dos Estados unidos e da União Europeia contra os painéis solares.

 

O Hoje Macau diz “julgamento à porta”. Os quatro arguidos no âmbito do caso das campas foram pronunciados para ir a julgamento, agora que terminou a fase de instrução. O jornal avança que os arguidos podem pedir recurso da decisão do juiz de instrução. Noutras chamadas de capa: “empresa lusa confiante num bom resultado” no concurso público para a limpeza urbana; no ensino especial, “professora portuguesa sem data de chegada”.

 

“MICE marca passo” titula o Jornal Tribuna de Macau. O presidente da Associação de Comércio e Exposições de Macau diz que o sector ainda tem muito para caminhar. No destaque fotográfico as “buscas domiciliárias às horas certas”. O Governo quer mudar norma do Código de Processo Penal. O tema esteve ontem em discussão na reunião da 3ª Comissão da Assembleia Legislativa.

 

O semánario O Clarim publica hoje na primeira página uma fotografia do Papa Francisco com a bandeira da RAEM como pano de fundo. “Macau a uma só voz” escreve em manchete o jornal, depois da Sé Catedral ter enchido para uma oração pelo novo líder da Igreja Católica. Noutros destaques de primeira página lê-se “Portugal redescobre a China” e “Vietnam abre edição de 2013” do Festival de Artes.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily avança hoje com a notícia que a Companhia de Telecomunicações de Macau poderá ter de pagar mais ao Governo pela concessão que detém. Noutro tema a merecer chamada de primeira página, as dificuldades de mão-de-obra dos negócios de pequena dimensão: os restaurantes dizem que precisam de mais cinco mil trabalhadores importados para poderem sobreviver.

 

“Detenção de empresário do Continente relacionada com Macau”, lê-se nas gordas da edição de hoje do Macau Daily Times. No destaque com fotografia, “os Estados Unidos e a China não estão a fazer o suficiente na redução das emissões”, diz um especialista em ambiente, consultor das Nações Unidas.

 

Já o Macau Post Daily ocupa grande parte da capa com os avisos que chegam de Pequim: o comissário dos Negócios Estrangeiros não quer interferências externas nas eleições legislativas de Setembro próximo.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

No South China Morning Post, a escassez de terrenos para a construção de habitação continua a ser o tema em destaque – coloca-se agora a possibilidade de colocar instalações públicas no subterrâneo para libertar espaço, uma hipótese que mereceu já críticas por causa dos custos que implica. Ainda na primeira do matutino, o futuro artístico da primeira-dama: os músicos profissionais da China não querem que Peng Liyuan, a mulher de Xi Jinping, abandone a carreira enquanto cantora de ópera.

 

No China Daily, as intenções de Li Keqiang em relação à reestruturação das funções do Governo Central – trata-se da prioridade do recém-eleito Conselho de Estado, mas o primeiro-ministro avisa que a tarefa vai ser “árdua”. Destaque ainda para as declarações do Ministro das Finanças, que acredita num aumento das exportações, apesar das pressões que existem neste sector. Na fotolegenda da edição desta sexta-feira do jornal oficial, “Morte vinda do céu”: uma fábrica em Dongguan, na província de Guangdong, ruiu com a passagem de uma tempestade pela cidade.