Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Rota das Letras promete escrita, humor, música e cinema
Quinta, 31/01/2013

Ricardo Araújo Pereira, Rui Zink, Francisco José Viegas e José Eduardo Agualusa são alguns dos nomes que vão estar em Macau para a segunda edição do Festival Literário Rota das Letras, que acontece de 10 a 16 de Março.

 

De acordo com a organização, que além do jornal Ponto Final, inclui o Instituto Cultural e a Fundação Macau, o programa apresenta mais de 30 escritores, editores, tradutores, jornalistas, músicos, cineastas e artistas plásticos, participantes de conferências e debates, uma feira do livro, exposições, concertos e projecções de filmes.

 

Do mundo lusófono, vêm a Macau muitos nomes conhecidos do grande público. Ricardo Araújo Pereira vem falar sobre a linguagem e o humor, uma missão que cabe também a Rui Zink. De Portugal vêm ainda Dulce Maria Cardoso, apresentada como uma das melhores romancistas da sua geração, Francisco José Viegas, antigo secretário de Estado da Cultura de Pedro Passos Coelho, autor e editor, Valter Hugo Mãe, a escritora e jornalista Alexandra Lucas Coelho, o jornalista e tradutor Carlos Vaz Marques, a editora da Tinta-da-China Bárbara Bulhosa e a romancista Deana Barroqueiro.

 

José Eduardo Agualusa, autor angolano e Luís Cardoso, de Timor-Leste, juntam-se ao poeta brasileiro Regis Bonvicino e ao director-geral da Festa Literária Internacional de Paraty, Mauro Munhoz. Do Brasil vêm ainda Paloma e Cecília Amado, filha e neta do grande romancista Jorge Amado, alvo de uma homenagem no Rota das Letras.

 

O festival não esquece os locais: Fernanda Dias, Tong Mui Siu e Lou Mou são alguns dos nomes que representam a cena literária de Macau.

 

O programa destaca ainda vários autores da literatura chinesa contemporânea, entre os quais Bi Feiyu, vencedor de vários prémios incluindo o Asian Man Booker Prize, Hang Shao-gong, tradutor de Fernando Pessoa e Yi Sha, um nome controverso na poesia chinesa.

 

Este ano, o festival abre ainda as portas a dois franceses: Antoine Volodine e Claude Hudelot – nomes com ligação a Macau e à China.

 

Na música, o programa anuncia dois nomes consagrados do panaorama português: Camané e Dead Combo.

 

Nos seis dias de festival haverá ainda tempo para cinema. Entre outros, serão exibidos "A Última vez que Vi Macau", da dupla João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, e também "Na Escama do Dragão", de Ivo Ferreira.

 

A organização do festival promete para breve uma conferência de imprensa para apresentar o programa em detalhe. Na ocasião serão também divulgados os vencedores do concurso de contos realizado no ano passado.