Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Governo incentiva escolas a comprarem desfibrilhadores
Terça, 29/01/2013

Mais de 50 escolas vão ter um desfibrilhador para prestação de primeiros socorros às vítimas de paragem cardio-respiratória. No apoio às instituições de ensino para adquirirem os aparelhos, o Governo vai gastar mais de um milhão de patacas.

 

Os Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) vão financiar as escolas primárias e secundárias que queiram adquirir um desfibrilhador externo automático. O incentivo, no valor total de um milhão e trezentas mil patacas, faz parte de um programa de promoção de “um ambiente mais seguro” nas escolas e de reforço da “capacidade de resposta” perante situações de crise.

 

De acordo com a DSEJ, até agora, 70 por cento das instituições de ensino aderiram ao programa, incluindo a Escola Portuguesa de Macau. Cada escola vai receber do Fundo de Desenvolvimento Educativo 25 mil patacas para a compra do aparelho de reanimação cardíaca, que a DSEJ diz custar no mercado entre 20 a 40 mil patacas.

 

O presidente da Cruz Vermelha lembra que “há bastantes casos de mortes por paragens cardio-respiratórias de origem cardíaca devido à falta de assistência médica atempada” e aconselha a aquisição do desfibrilhador externo automático. “O desfibrilhador é, a seguir à reanimação cardio-pulmonar, importante nos primeiros socorros e, por isso, deve ser divulgado ao público (...) este aparelho diminui significativamente a taxa de mortalidade causada por ataques cardíacos. Em muitos países da Europa e nos Estados Unidos os desfibrilhadores já estão disponíveis em locais onde se concentram muitas pessoas, como centros comerciais, hotéis e escolas", explica Eddie Wong.

 

A Cruz Vermelha fica responsável pelos cursos de formação, também suportados pelo Governo, para docentes e pessoal da enfermaria das escolas. Segundo a DSEJ, a aprendizagem” tem a duração de nove horas” e custa “900 patacas por pessoa”.

 

Eddie Wong explica que é fácil aprender a utilizar o aparelho, que, como é automático, determina sozinho se é preciso haver descarga eléctrica. “Este desfibrilhador pode socorrer de imediato uma pessoa com paragem cardíaca, ainda no local do incidente. Esta máquina mede automaticamente o ritmo cardíaco do paciente e determina se é necessária a aplicação do choque eléctrico. Este choque é uma das formas mais eficazes de socorro a um paciente com paragem cardíaca súbita podendo aumentar as suas probabilidades de sobrevivência”.

 

O valor total do financiamento do Governo para a compra do desfibrilhador externo automático pode ainda exceder o milhão e trezentas mil patacas. As escolas que ainda não aderiram ao programa podem fazê-lo até Março – mês em que deixam de ser aceites os pedidos de subsídio.