Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 04/12/2012

A habitação pública e as declarações do secretário Lau Si Io na Assembleia Legislativa marcam hoje as primeiras páginas dos jornais publicados em Macau.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun destaca na primeira página de hoje o anúncio de Lau Si Io no sentido de dar prioridade ao tratamento dos espaços públicos e fachadas dos edifícios que põem em risco a segurança da população. O secretário anunciou também que, no segundo trimestre do ano, vão ser demolidas as habitações ilegais do norte da península. Uma opção que, segundo o diário, merece o apoio das associações desta zona, que pedem ainda a aprovação rápida do regime jurídico do reordenamento dos bairros antigos. O jornal refere também a hipótese de serem atribuídos subsídios aos proprietários que queiram proceder por iniciativa própria às obras de demolição de construções ilegais. O Ou Mun refere ainda a intenção do Governo de vistoriar mais de quatro mil edifícios com mais de 30 anos.

 

O mesmo tema merece destaque no Va Kio, que salienta que as autoridades competentes pretendem fiscalizar todos os prédios antigos ou em risco. Destaque também no diário para a detenção de um aluno da escola Superior das Forças de Segurança de Macau por tentativa de furto de equipamentos a um polícia de trânsito na Estrada do Campo, em Coloane. O Va Kio escreve ainda na primeira página que Lao Si Io confessa que há quatro projectos, de entre o plano das 19 mil habitações públicas, que não vão estar concluídos até ao final deste ano. Ainda assim, acrescenta o jornal, o secretário para os Transportes e Obras Públicas promete que, no próximo ano, o Governo vai realizar estudos sobre o conceito de “terras de Macau para gentes de Macau”.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

Esta manhã, o Canal Chinês da Rádio Macau noticia que o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) reitera que recebeu a notificação de um proprietário, alegando que a zona de Tou Fa Kong, junto ao Mercado Vermelho, pertence a um terreno privado. Ainda sobre o IACM, a Ou Mun Tin Toi informa que o instituto ressalva que a criação de um mercado no Jardim das Artes, no NAPE, é apenas uma ideia preliminar.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“O Instituto de Acção Social diz que a auscultação fez cair o crime público na violência doméstica”, escreve o Jornal Tribuna de Macau em manchete. O diário refere-se ao relatório final sobre a consulta pública a propósito da futura lei de combate à violência doméstica. Na principal fotografia da primeira página do JTM vê-se a equipa do secretário para os Transportes e Obras Públicas, no hemiciclo: “Lau Si Io admite atrasos em quatro projectos de habitação pública.”

 

Também sobre este assunto fala o Hoje Macau, que titula “Governo incumpridor”. O jornal explica que cai a promessa de habitação pública até final do ano, por motivos de “força maior”, de acordo com as explicações do secretário para os Transportes e Obras Públicas. Uma situação que leva alguns deputados a pedirem a cabeça de Lau Si Io. Noutro tema, o jornal informa que o Instituto de Desporto pede desculpas pelo erro de percurso na maratona.

 

O Ponto Final escreve na manchete “Habitação em atraso”. Uma pergunta fez-se ouvir mais alto no hemiciclo: “Onde estão as 19 mil fracções de habitação pública prometidas até ao final do ano?” Lau Si Io admitiu atrasos em quatro projectos, mas garantiu que as mais de nove mil casas em Seac Pai Van vão ficar prontas até dia 31. Destaque ainda para a “insólita” maratona de Macau, com mais três quilómetros devido a erro no percurso. A organização diz ao jornal que vai melhorar.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“O Governo não vai conseguir completar quatro projectos de habitação pública até ao final do ano.” É o que se lê na manchete do Macau Post Daily, que escreve que o secretário para os Transportes e Obras Públicas admitiu ontem que a promessa da criação de 19 mil habitações públicas até ao final de 2012 não vai ser cumprida. Ainda na primeira página do jornal, a notícia de que “Adelson gasta 150 milhões de dólares americanos nas eleições dos Estados Unidos”.

 

O Business Daily também escreve que o Governo não vai cumprir a “meta da habitação pública”. O diário económico cita o secretário Lau Si Io a admitir que as 19 mil habitações públicas prometidas pelo Executivo não vão estar concluídas até ao final do ano, por “motivos alheios ao controlo do Governo”. Ainda no Business Daily, destaque hoje para receitas do sector do jogo em 2012: tudo aponta para um crescimento anual de 13 por cento, indica o jornal.

 

O Macau Daily Times, por outro lado, escreve em manchete que “a habitação pública está dentro das expectativas”, aludindo às declarações de Lau Si Io, durante a apresentação das Linhas de Acção Governativa para o próximo ano. Destaque também esta terça-feira para uma entrevista ao secretário-geral da Caritas. Paul Pun diz ao Macau Daily Times que os tempos que correm são particularmente difíceis para os grupos mais desfavorecidos.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post escreve hoje que Leung volta a ser criticado devido às estruturas ilegais. O diário conta que o Chefe do Executivo foi forçado a pedir desculpas mais uma vez, num fórum em que voltou a ser chamado à atenção por vários manifestantes. A ideia do evento era recolher opiniões da população para as Linhas de Acção Governativa, mas acabou por ser o tema das estruturas ilegais a dominar a sessão. O South China Morning Post destaca também hoje o ambiente: “Governo lança guerra ao desperdício de alimentos.” Foi criado um novo comité e está a ser estudada a introdução de taxas para a recolha de resíduos sólidos.

 

O China Daily escreve que está tudo bem encaminhado para que se cumpra a meta relativa às emissões de gases poluentes. O sector imobiliário também merece destaque na primeira página do diário oficial chinês: “Preços dos imóveis sobem pelo sexto mês.” O jornal revela ainda alguns números, como o das 14 mil unidades vendidas em Pequim no passado mês ou o dos 8.791 yuans correspondentes ao preço por metro quadrado das casas novas, no mês de Novembro.

 

No Standard, destaque na edição desta terça-feira para o “roubo do show”. Em causa os protestos dos apoiantes da liberalização do mercado televisivo, que ontem dominaram as atenções no fórum onde participava o Chefe do Executivo.