Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Proença Branco: População “não tem de estar ansiosa”
Sexta, 30/11/2012

A população “não tem de estar ansiosa” por causa da libertação de Pan Nga Koi, que acontece amanhã de manhã. A garantia é deixada por José Proença Branco, comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários. “Há alguma ansiedade pelo que vem nos jornais, nas revistas. Penso que as pessoas podem estar descansadas. As polícias estão atentas”, garante.

 

Em entrevista exclusiva à Rádio Macau, Proença Branco diz que não estão a ser preparadas medidas especiais em relação à libertação do antigo líder da seita 14 Kilates. “Não há medidas especiais, não há grupos especiais preparados porque a gente trabalha 24 horas. Trabalhamos todos – cada departamento com as suas especificidades, com o seu trabalho e com a sua missão –, estamos todos em sintonia”, afiança. “Estamos atentos à situação. Ele [Pan Nga Koi] é um homem livre no momento em que sair da prisão, portanto tem os mesmos direitos que qualquer cidadão”, acrescenta o responsável.

 

O comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários diz ainda que as forças de segurança “estão preparadas para tudo” e que o que aconteceu no final da década de 1990 não poderá repetir-se: “Macau, com este crescimento nos últimos 13 anos, nunca podia admitir uma situação idêntica àquela que vivemos antes da transferência de Administração”.

 

Sobre Wan Kuok-koi – também conhecido como Pan Nga Koi –, Proença Branco acredita que “ele vai ser discreto”. “Penso que aprendeu com a situação e que não vai acontecer nada de especial.”

 

Na entrevista à Rádio Macau – que é transmitida no programa Paralelo 22, no próximo domingo, ao meio-dia – Proença Branco fala ainda da detenção de Arturo Calderon.

 

Condenado na mesma altura de Pan Nga Koi por ter sido considerado um dos responsáveis da 14 K, Calderon voltou a ser detido na semana passada. “Meteu o pé onde não devia meter. Já devia ter aprendido, devia abraçar a liberdade, que custa obter. Depois de ter passado aquele tempo todo devia ter aprendido. Não aprendeu, está lá dentro outra vez.” Arturo Calderon encontra-se em prisão preventiva, acusado de estar envolvido no planeamento de um homicídio.