Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Costa Antunes admite falhas na organização do GP deste ano
Domingo, 18/11/2012

O coordenador da Comissão do Grande Prémio, João Costa Antunes, admite que aconteceu quase tudo neste fim-de-semana. Uma conjuntura que o surpreendeu. “Já tivemos em edições anteriores acidentes mortais, duplos acidentes mortais como neste fim-de-semana, hinos trocados em cerimónias de entrega de prémios, chuva quando não se esperava, mas, de facto, devo dizer que este Grande Prémio teve uma conjugação que, pessoalmente, não estava à espera e que exigiu uma grande energia de todos nós.”

 

Sobre o hino trocado, Costa Antunes assume a falha e o embaraço. “Fizemos o nosso melhor, há situações que são imponderáveis, há que saber valorizar o que é importante. Naturalmente, que me embaraço da falta do hino nacional português, porque sou português. Foi algo que, de alguma forma, embaraçou também a presença de sua excelência o Chefe do Executivo, que estava encantado por ir entregar um troféu a um corredor português neste momento. Tudo isso são situações que enfrento sem recurso a nenhuma desculpa. Foi uma falha (...) o futuro será aquilo que nós conseguirmos construir”, afirmou, sublinhando que não se pode confiar a cem por cento nos sistemas tecnológicos e informáticos.

 

Hoje, na cerimónia de entrega dos prémios irá ouvir-se A Portuguesa. Uma situação excepcional que Costa Antunes anunciou nesta conferência de imprensa de balanço desta 59ª edição do Grande Prémio de Macau.

 

Costa Antunes prefere agora pensar no futuro. Há 25 anos na organização, fica em breve a tempo inteiro no cargo, para preparar os 60 anos da prova. E promete fazer melhor. “Daqui a um mês serei responsável a tempo inteiro por um projecto que tenho um carinho especial e uma certa afeição. Há um compromisso de que vamos melhor no futuro para que o 60º seja um marco de Macau e que possamos todos daqui a um ano ter o benefício, digamos assim, de estar numa situação mais agradável.”

 

Em 2013, é provável que se repita a fórmula dos 50 anos de Grande Prémio de Macau. Para se assinalar a efeméride deverá haver dois fins-de-semana de competição.