Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

LAG: Pereira Coutinho acusa Governo de “falta de coragem”
Terça, 13/11/2012

Pereira Coutinho lamenta que tenham ficado de fora das Linhas de Acção Governativa os aumentos salariais dos funcionários públicos. O presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública acusa mesmo o Governo de “falta de coragem”. 

 

“É um balde de água fria para a função pública, (...) não teve coragem de enfrentar as forças tradicionais, como a Associação Geral dos Operários de Macau, (...) e alguns empresários altamente influentes que não gostam que os funcionários públicos tenham os salários actualizados, porque se transforma numa medida que serve como exemplo para as seis concessionárias actualizarem os salários, e por aí fora”.

 

Quanto à actualização de vencimentos, Leonel Alves notou que a apresentação das Linhas de Acção Governativa "não é a sede própria para falar e discutir" o assunto. "Existe uma comissão que analisa esta matéria. Provavelmente, no decorrer dos primeiros meses do próximo ano haverá algo de concreto sobre esta matéria". 

 

Pereira Coutinho também não ficou satisfeito com o regime de avaliação de desempenho dos dirigentes, anunciado hoje por Chui Sai On, durante a apresentação das Linhas de Acção Governativa para 2013. “Não falou de um regime geral de avaliação dos titulares dos principais cargos. (...) O Chefe do Executivo e os secretários têm de ser responsabilizados, pelo menos, politicamente, se não criminal, disciplinar ou civilmente pelos danos e prejuízos causados aos cidadãos”, defendeu.

 

Pereira Coutinho só vê uma solução: a substituição de Florinda Chan na tutela da Administração e Justiça. O deputado quer mudanças no Governo, que deviam englobar igualmente a saída do secretário para os Transportes e Obras Públicas, Lau Si Io. “Estas Linhas de Acção Governativa demonstram mais uma vez a incapacidade do nosso Chefe do Executivo de acabar com os monopólios, de algumas pessoas muito influentes, e de afastar alguns secretários. Depois do 18º Congresso do Partido Comunista Chinês, Chui Sai On poderá ter um novo alento e ter autorização do Governo Central para remodelar a sua equipa governativa, e só aí nós teremos melhores dias.”