Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Operadoras defendem serviços cada vez mais diversificados
Terça, 06/11/2012

A indústria do jogo está consciente da necessidade de diversificação do produto turístico para se dar uma resposta adequada a visitantes “cada vez mais exigentes”. Representantes das seis operadoras participaram esta manhã num dos painéis da 7ª Convenção Internacional da Juventude Teochew.

 

O director executivo da Melco Crown Entertainment, Ted Chan, não duvida que os chineses da província de Guangdong irão ter uma maior facilidade de entrada em Macau nos próximos cinco a dez anos. “Estamos a entrar em décadas de consumismo, portanto, não há dúvida de que vamos continuar a receber imensos visitantes, que não vêm só para jogar mas também para actividades extra jogo”.

 

Os dirigentes das operadoras no território defendem um leque mais abrangente de oferta de serviços. O director executivo da MGM China, Grant Bowie, disse que “já não chega construir casinos”, é preciso “diversificar o produto em prol de um desenvolvimento sustentável” da indústria e da economia local, sendo o COTAI o palco ideal para se seguir esse mesmo objectivo.

 

Mas Robert McBain, director financeiro da SJM, lembra que a diversificação tem de ter em conta a herança de Macau. “Nesta altura da história, Macau devia considerar a melhor forma de usar o legado que tem como oportunidade de seguir em frente, mantendo-se num destino único”, apontou, sublinhando que “muitas vantagens” podem surgir do facto da cultura local misturar o Ocidente e o Oriente.

 

Os oradores estiveram ainda em sintonia sobre o grande sucesso da indústria, que só foi possível através do bom entendimento entre o poder político e os interesses dos grupos económicos. Um sucesso que não seria alcançado sem o apoio também da sociedade, frisou Ian Coughlan, presidente da Wynn Resort Macau. “Estamos rodeados de construções, engarrafamentos, etc., o progresso é penoso e a comunidade sempre trabalhou connosco, permitindo-nos mudar esta pequena sociedade de 500 mil pessoas”.

 

As operadoras esperam ainda que, em nome do crescimento sustentável, se mantenha a cooperação entre os profissionais do sector e as autoridades do Governo de Macau e também de Pequim.

 

Neste painel participaram ainda o director executivo da Sands China, Edward Tracy, e o director de Estratégia e Planeamento da Galaxy Entertainment, Roland To. Aos dirigentes das operadoras locais juntou-se também Paul Tse, presidente da Câmara de Comércio dos EUA em Macau.