Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 18/10/2012

A abertura do Ano Judiciário está a marcar a actualidade local. Os jornais sublinham as fortes críticas feitas à Administração, a sugestão de penas mais duras no Código Penal, e ainda o número insuficiente de magistrados. O apagão de cerca de sete horas dos serviços da Hutchinson também está em destaque. Em Hong Kong, as atenções viram-se para a análise ao discurso de ontem de CY Leung no Conselho Legislativo.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio opta por destacar as declarações de Sam Hou Fai, durante a abertura do Ano Judiciário. O presidente do Tribunal de Última Instância (TUI) diz ser necessário fazer bem três coisas: primeiro, estabelecer um regime de acumulação das funções de juízes nos julgamentos, depois, ampliar, adequadamente, o número de magistrados dos tribunais da 1ª e 2ª instâncias, e, em terceiro lugar, adoptar medidas concretas e eficientes para desenvolver as instalações do novo edifício para os órgãos judiciais. O Va Kio diz ainda que os serviços da Hutchinson estiveram interrompidos por mais de 7 horas. A empresa de telecomunicações suspeita que na origem do incidente esteve uma avaria no Registo de Localização.

 

O mesmo tema está em destaque também no Ou Mun. O jornal sublinha que a avaria dos serviços de rede afectou 30 mil utilizadores e diz ainda que a Direcção dos Serviços para a Regulação das Telecomunicações (DSRT) ficou “insatisfeita com a lentidão” da Hutchinson na resolução do problema. A DSTR já activou um mecanismo de emergência para acompanhar o caso. Entretanto, o Centro da Política da Sabedoria Coletiva veio criticar o Governo, afirmando que a situação “reflecte a falta de supervisão das autoridades”. A associação não percebe por que é que a Administração ainda não estabeleceu mecanismos de emergência para dar resposta aos apagões nas telecomunicações.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi diz, nesta manhã informativa, que foi detectada uma maré vermelha nas praias de Hác Sá e de Cheok Van. A Capitania dos Portos apela à população que suspenda todas as actividades na água. A rádio noticia ainda que o relatório de vistoria do Sin Fong Garden vai ser publicado nesta tarde.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

No Hoje Macau lê-se, na manchete, “recado a ti, recado a mim” – Neto Valente acusa Ministério Público (MP) de fazer desaparecer queixas. O presidente da Associação dos Advogados “pede mais magistrados para dar vazão aos processos atrasados e aponta o dedo ao MP, que acusa de “fazer desaparecer processos”. Já para Sam Hou Fai, presidente do TUI, “o número de processos pendentes é razoável” e os “advogados falam demais”. Num outro destaque, o matutino realça que “Governo ouve moradores do Koi Fu na sexta-feira”.

 

O Jornal Tribuna de Macau destaca a entrevista do embaixador José Tadeu Soares ao JTM. O embaixador de Portugal em Pequim afirma que Macau “tem um papel importante” na difusão da língua portuguesa. O diplomata defende uma “promoção” das instituições portuguesas neste lado do mundo, numa altura, em a língua de camões gera “cada vez mais interesse” na China. O destaque fotográfico é feito com a abertura do Ano Judiciário, em que magistrados e advogados lançaram “fortes críticas” à Administração Pública. O JTM foca ainda o pedido do procurador Ho Chio Meng de revisão do Código Penal.

 

Ângulo que o Ponto Final traz na primeira página, com o título “penas mais duras”. O MP pede alterações ao Código Penal, “obsoleto em muitos aspectos”. Ho Chio Meng dá como exemplo a necessidade de punir “mais e tempestivamente” a condução sob o efeito de álcool e de drogas. A Associação dos Advogados concorda “em algumas situações”. Mas a manchete é: “orçamento no papel” – o Executivo “tem necessidade de um reforço orçamental a meio ano”. Verbas que no final “não são gastas na totalidade”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

A manchete do Business Daily é: “prometido investimento para salvar as telecomunicações em concurso de aquisição da CTM”. O jornal destaca o interesse de uma empresa da China na compra de uma boa parte das acções para controlar a Companhia de Telecomunicações de Macau. As conversações estão em curso e é prometido mais investimento em infra-estruturas. Noutro destaque, o diário refere que o Greek Mithology deu mesas de jogo. São 40 mesas da SJM que passaram do Greek Mithology para um outro casino da operadora, o Grand Lisboa.

 

O Macau Daily Times fala também da possível aquisição da Companhia de Telecomunicações de Macau, com o título: “Citic Pacific Unit em conversações para comprar uma participação de 51 por cento na CTM”. O destaque fotográfico é feito com a abertura do Ano Judiciário. O procurador da RAEM, Ho Chio Meng, “pede leis actualizadas para se enfrentar o aumento da criminalidade”. Ainda numa chamada de capa: “30 mil clientes da Hutchinson afectados por uma interrupção na rede”.

 

O Macau Post que publica uma fotografia de uma pequena manifestação de cinco pessoas em frente ao Centro Cultural de Macau. A manchete diz “vendilhões exigem justiça na abertura do ano judiciário”. Os comerciantes pediram ajuda aos responsáveis judiciais na luta por justiça, através da distribuição de panfletos. Os vendilhões têm de fechar os negócios numa das ruas perto do mercado vermelho, porque o alegado proprietário do terreno quer agora aproveitá-lo.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post destaca o Chefe do Executivo na notícia principal, com o título: “Leung identifica as quatro questões mais urgentes” - são elas: a habitação, o ambiente, a pobreza e a velhice. Num discurso no Conselho Executivo, o líder do Governo da região vizinha manteve-se, no entanto, “firme” na concessão de um novo subsídio de velhice, prometendo apenas um estudo sobre um plano universal de protecção na reforma. Outro título de primeira página fala de cultura. O jornal diz que o “Man Asian Prize” – o prémio literário mais importante da Ásia – “perde patrocínio”. O Grupo Man, retirou o apoio e a organização procura agora um novo patrocinador.

 

O China Daily diz que “visita a Yasukuni vai deitar achas para a fogueira”. O principal líder da oposição japonesa, Shinzo Abe, visitou Yasukuni Shrine – memorial aos soldados japoneses mortos durante a 2ª Guerra Mundial, o que, sublinham analistas, vai incendiar o já tenso conflito provocado plas Ilhas Diaoyu. A acção é vista como um “ressurgimento de uma onda de nacionalismo japonês”, que pode colocar em perigo a estabilidade regional. Noutro título, o matutino escreve “ligações Hong Kong-China são inquebráveis”. O Chefe do Executivo afirmou ontem, no Conselho Legislativo, que a “cidade deve ser proactiva e prudente na promoção das relações com a China, porque as ligações económicas e sociais se tornaram indissociáveis”.

 

O mesmo tema faz a primeira do Standard. O jornal escreve “não fechem a porta à China”. O Chefe do Executivo tentou, assim, “combater o sentimento anti-Pequim”, perante os deputados. O diário sublinha ainda que Leung defende um “aproveitamento das oportunidades oferecidas pelo país e também das ligações proporcionadas por uma maior integração transfronteiriça”. Para CY Leung, Hong Kong “não deve fechar as portas e isolar-se do resto do mundo”.