Em destaque

26 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.0301 patacas e 1.1139 dólares norte-americanos.

Macau tem 10 mil pessoas com doenças do foro psicológico
Sexta, 05/10/2012

Há em Macau cerca de 10 mil doentes mentais, divididos em casos  psicóticos e neuróticos, mas que incluem ansiedade, dificuldades de ajustamento a novas situações e depressões. Os números foram avançados, hoje, durante a apresentação das actividades que vão assinalar o Dia Mundial da Saúde Mental, dedicado ao tema “Depressão – uma crise global”.

 

O Dia Mundial da Saúde Mental assinala-se no dia 10, mas as actividades começam na véspera, dia 9, com um “workshop” sobre a depressão na Clínica Psiquiátrica da Taipa.

 

Na Torre de Macau, no dia 10, haverá um seminário científico promovido pela Associação de Psiquiatria de Macau, e também “dia aberto” nas instalações da Associação Richmond Fellowship. No sábado, dia 13, realiza-se uma conferência no Instituto Politécnico de Macau sobre o processo de recuperação.

 

No dia 20, realiza-se um seminário sobre reabilitação no Instituto de Enfermagem Kiang Wu, com a presença de dois especialistas de Portugal e Singapura.

 

Em Macau, há cerca de 10 mil doentes mentais, mas contrariamente ao que acontece ao nível global não é a depressão a responsável pelo segundo maior número de casos, de acordo com o Coordenador do Serviço de Psiquiatria do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Ho Chi Veng. O responsável explicou que “os casos psicóticos ocupam cerca de 40 por cento das consultas, depois há entre 30 e tal a 40 por cento com problemas neuróticos, sendo o restante ocupado por outras doenças mentais.

 

Ho Chi Veng diz que tem havido um aumento do número de novos doentes mentais, o que se explica com a facilitação das transferências dos casos, das associações e centros de saúde para a psiquiatria.

 

O responsável dos Serviços de Saúde acrescenta que, apesar do aumento, não se verifica para já uma escassez de instalações, tendo em conta que a psiquiatria tem um bom relacionamento com as associações. Uma delas é a Richmond Fellowship, que recebe doentes em fase de recuperação após o tratamento, e que, entre Janeiro e Setembro, acolheu 24.

 

O director-geral da associação, Cheung Lam-chau, adianta que, no total são já 400 os utentes, pelo que o espaço disponível já não é suficiente.

 

O Serviço de Psiquiatria conta actualmente com 12 médicos, dois dos quais recentemente contratados, incluindo uma portuguesa.