Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 03/10/2012

Hoje a revista de imprensa é mais curta devido aos feriados. O grande destaque nos jornais publicados, tanto em Macau como na região vizinha, vai para a tragédia em Hong Kong. Pelo menos 38 pessoas morreram, na sequência de uma colisão entre um ferry e um barco de recreio da Hongkong Electrics. A imprensa local sublinha ainda as recomendações da ONU a Macau.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

Na manchete do Ponto Final lê-se: “deficientes sofrem em casa”, a propósito de um alerta da Comissão das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência. A comissão mostra-se preocupada com “os níveis de violência doméstica e abuso de mulheres e raparigas com deficiência em Macau” e pede ao Governo da RAEM um “mecanismo de queixa” para as vítimas, a par de um “treino obrigatório de conduta para a polícia”. Também em grande destaque está a “bomba relógio em Ka Ho”.

 

Em letras grandes, o Hoje Macau escreve “festa acaba mal”, referindo-se à colisão de duas embarcações em Hong Kong que fez 37 mortos e mais de 100 feridos. O jornal acrescenta que no Dia Nacional da República da China as comemorações “ficaram assombradas por um grave acidente náutico”. Uma chama de primeira página refere ainda que “vêm aí os Antoones”. António Conceição Júnior está de regresso às caricaturas e aos cartoons.

 

O Jornal Tribuna de Macau destaca a população idosa que “vai triplicar” até 2050. Um relatório da ONU alerta para o envelhecimento nos países desenvolvidos. Noutro destaque o matutino também aponta que a ONU “insta RAEM a aumentar inclusão no ensino especial”. A fotografia remete para as manifestações no Dia Nacional da China, com o título: “dois mil na rua por causas distintas”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily diz na notícia principal que a “pataca vai continuar indexada ao dólar de Hong Kong”. A Autoridade Monetária de Macau garante que a indexação à moeda da região vizinha assegura a estabilidade económica e, por isso mesmo, não planeia acabar com a ligação entre as duas moedas. O económico destaca ainda os empréstimos para a construção da Torre Eiffel de Macau. A Sands deve garantir os quase 20 mil milhões de patacas para o projecto no primeiro trimestre de 2013.

 

E como ontem foi feriado, hoje não se publica o Macau Daily Times. À redacção da Rádio também não chegou o Macau Post.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post coloca hoje o cabeçalho a negro, em solidariedade com as vítimas o trágico embate entre um ferry e um barco de recreio da Hongkong Electric, ao largo da ilha de Lamma, na noite de segunda-feira. O jornal escreve na manchete que sete tripulantes foram detidos na sequência do acidente. O jornal escreve na manchete que sete tripulantes foram detidos na sequência do acidente e refere ainda que o Chefe do Executivo promete uma investigação minuciosa. O matutino diz também que foram decretados três dias de luto pelas 38 vítimas mortais do acidente, enquanto prosseguem as buscas por passageiros desaparecidos. O South China publica ainda uma fotografia de familiares das vítimas mortais, emocionados, durante uma cerimónia taoista.

 

O China Daily faz manchete com número de mortos, que já atingiu os 38. O diário refere ainda que as buscas continuam e que foram detidos tripulantes das duas embarcações. A fotografia mostra vários governantes, com o Chefe do Executivo, C.Y Leung, ao centro, num tributo às vítimas do mais grave desastre marítimo de Hong Kong, dos últimos 41 anos. Noutro destaque, o China Daily escreve também que vai ser criada uma comissão independente para investigar o acidente fatal.

 

O Standard coloca em grande plano as 38 vítimas mortais e o facto do número incluir cinco crianças. O jornal publica três fotografias. Numa delas vê-se o barco de recreio da Hongkong Electrics a ser trazida para a superfície da água. Noutra imagem está patente o desespero de um dos familiares das vítimas e numa terceira fotografia aparecem alguns dos sobreviventes em choque, enquanto eram resgatados.