Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Água reciclada deve chegar a Macau em 2015
Terça, 25/09/2012

O Governo espera ter água reciclada em Macau daqui a três anos, explicou hoje Susana Wong. A directora da Capitania dos Portos esteve numa sessão de apresentação de um estudo feito por uma consultora de Singapura, que explorou vários cenários para a utilização de recursos hídricos alternativos em Macau.

 

O quadro para já adoptado ainda vai ser sujeito a consulta pública, que terá no início no final do ano, mas serve de ponto de partida, referiu Susana Wong. Este plano prevê que, até 2021, a água reciclada possa representar entre 11 por cento a 14 por cento do consumo total de água no território. Servirá sobretudo para o sector doméstico, mas também para a indústria e comércio, a rega de espaços verdes e para instalações públicas.

 

Em 2015, a habitação pública de Seac Pai Van, em Coloane, e as instalações da Universidade de Macau Ilha da Montanha já devem dispor deste recurso hídrico alternativo. “Nesta primeira fase é só para estes dois locais. Depois, de acordo com este estudo, a água reciclada vai estar principalmente nas zonas novas: as cinco áreas de aterro, o novo bairro da Ilha Verde e também algumas áreas do COTAI e de Coloane”, elencou Susana Wong.

 

Quanto à viabilidade da instalação de novas condutas nos chamados bairros antigos, a directora da Capitania dos Portos explica que vai ser necessário fazer estudos para perceber se é possível fazer chegar a água reciclada a pontos da cidade já urbanizados.  

 

Se o plano agora apresentado avançar sem alterações substanciais, o Governo vai ter de investir, numa fase inicial, 6,332 mil milhões de patacas. A água reciclada – que no consumo doméstico servirá para descargas sanitárias – será mais barata do que a água potável: estima-se que a tarifa seja 15 por cento mais baixa.

 

Quando houver um plano de acção definitivo, vai ser necessária a construção de uma estação de tratamento, que deverá ficar ao lado da estação de tratamento de águas residuais de Coloane. Também ainda não há uma decisão em relação à empresa – ou empresas – a fornecer este tipo de serviço, uma vez que será necessária a realização de um concurso público.