Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 18/09/2012

Os jornais de Macau dão grande destaque ao adiamento do julgamento dos empresários ligados ao La Scala, por indisponibilidade da juíza que preside ao colectivo. Em Hong Kong, os matutinos acompanham as tensões por causa da disputa das Diaoyu, no dia em que se assinala o 81º aniversário do conflito militar entre a China e o Japão.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio destaca o “adiamento do julgamento do La Scala”. O matutino sublinha que entre os oito arguidos estão os dois empresários de Hong Kong, Steven Lo e Joseph Lau. Os empresários, ligados ao La Scala, são “acusados de subornar o ex-secretário Ao Man Long”. O julgamento foi adiado para dia 7 de Janeiro do próximo ano.  Ainda na primeira, o matutino diz que a Associação Comercial de Macau declara apoio à China na contenda em torno do arquipélago das Daoyu. A associação entende que o Governo do Japão deve respeitar a história e a soberania chinesa sobre as ilhas, acrescentando que o Japão tem de desistir dos actos que prejudicam a China.

 

O Ou Mun dá também ênfase ao adiamento do julgamento no Tribunal Judicial de Base. O diário diz que a sessão foi adiada “por doença de Alice Costa”, a presidente do colectivo de juízes, e que Steven Lo e Joseph Lau, os empresários ligados ao La Scala, só “vão ser julgados no próximo ano”. O diário destaca ainda um acidente de viação, que envolveu um jovem de 21 anos, que conduzia sem carta de condução e acabou por chocar com um autocarro de Reolian. O jovem ficou gravemente ferido e a polícia suspeita de condução sob efeito de álcool. O acidente ocorreu no cruzamento entre a Rua de Luís Gonzaga Gomes e a Avenida de Marciano Baptista.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi diz, nesta manhã informativa, que várias escolas de Macau assinalaram o 81º aniversário do conflito militar entre a China e o Japão.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

A manchete do Macau Daily Times é “indisposição da juíza adia julgamento por suborno de Joseph Lau”. A sessão do julgamento de Lau e de mais sete arguidos estava marcada para ontem mas foi adiada para Janeiro. Numa das chamadas de primeira página, o matutino escreve que o traçado do NAPE “é apenas a ponta do icebergue de erros do metro ligeiro”.

 

O Business Daily destaca um “esquema de casino-boutique planeado para a fronteira do COTAI”. O jornal avança que no próximo ano devem começar as obras de um casino-hotel com estilo de boutique, entre Coloane e o COTAI. O projecto, orçado em 800 milhões de dólares, deve ficar concluído em 2015 ou 2016. O económico realça ainda que “doença de juíza empurra julgamento La Scala para 2013”. O julgamento dos empresários ligados ao La Scala foi adiado para 7 de Janeiro.

 

O Macau Post faz manchete com o mesmo tema. No título lê-se: “licença por doença de juíza adia julgamento La Scala para Janeiro”. Na primeira do Post ainda espaço para uma notícia da Índia. O país “promete lançar uma missão a Marte no próximo ano”. Em Novembro, o Governo indiano quer lançar uma sonda espacial que vai ficar na órbita de Marte.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau escreve “desarmonia social”, porque “começaram os protestos contra os preços das casas”. Na notícia de destaque, intitulada “alvo de agências de Hong Kong”, o jornal destaca os protestos contra a especulação imobiliária, de “três associações pró-democratas”, que “prometem continuar”. Na fotografia, o “discurso directo” do deputado Gabriel Tong que afirma que “propostas de lei podem melhorar”.

 

O jornal Tribuna de Macau diz, em manchete, que os “alunos da EPM estão menos interessados no Ensino Superior português”. Entre os finalistas deste ano da Escola Portuguesa, a “maioria ficou em Macau ou escolheu instituições estrangeiras”. Na edição de hoje, o jornal destaca ainda os estaleiros de Pac On, que estão no meio de um “dilema jurídico” com a defesa a “contestar a existência de ilegais na obra”.

 

O título principal do Ponto Final é “pouca vergonha”, uma frase de Jorge Neto Valente acerca do “Tribunal de Última Instância” que está a “querer condicionar o julgamento” ligado ao caso La Scala. O advogado de defesa Steven Lo, - um dos oito arguidos – afirma que o tribunal terá agido “por convicção” ao “achar que o negócio” dos terrenos La Scala “envolvia corrupção”. O matutino foca ainda a assembleia-geral da Aliança Mundial Chinesa para a Defesa das Ilhas Diaoyu que decorre em Macau no dia 28.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Em manchete, o South China Morning Post escreve que “questão japonesa ensombra conversações entre Xi e Panetta”. Amanhã, o vice-presidente chinês, Xi Jinping, vai reunir-se, em Pequim, com o secretário norte-americano da Defesa, Leon Panetta. A reunião foi anunciada depois do chefe do Pentágono ter arriscado enfurecer a China com a aprovação de um novo plano para expandir as defesas antimísseis do Japão. O jornal publica ainda a fotografia do encontro entre Panetta e o homólogo japonês, Satoshi Marimoto, no final de uma conferência em Tóquio, em que foi anunciado o plano do radar de defesa antimísseis. As tensões entre Pequim e Tóquio têm aumentado desde que o Japão revelou ter comprado três ilhas do arquipélago das Diaoyu.

 

O China Daily também coloca em grande destaque as tensões em torno das Diaoyu. No título principal lê-se que “lojas fecham no aniversário”. Hoje assinala-se o aniversário da ocupação militar de parte da China pelas tropas imperiais japonesas em 1931. O jornal diz que as relações económicas entre a China e o Japão “estão ameaçadas” por causa das Diaoyu. Muitos dos negócios de japoneses na China vão fechar neste dia.

 

A manchete do Standard é “proposta indecente”. Na notícia principal, o matutino diz que uma nova lei pode levar à prisão de homens que pratiquem o acto sexual sem preservativo. A proposta, apresentada pela Comissão para a Reforma Legislativa, prevê que, quem recusar utilizar preservativo, quando assim for pedido, ou force relações sexuais sem protecção, pode ser acusado de abuso sexual.