Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Segunda-feira)
Segunda, 17/09/2012

As manifestações anti-Japão em dezenas de cidades chinesas fazem as primeiras páginas dos jornais de Macau e também de Hong Kong. A imprensa local destaca ainda o julgamento de mais um processo conexo ao de Ao Man Long. A audiência estava marcada para a manhã de hoje, mas acabou por ser adiada.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio diz que, no final deste ano, ficam prontas as obras de ampliação do Posto Fronteiriço de Gongbei. Nesta notícia principal, o jornal escreve ainda que há a possibilidade de implementação de um número vitalício para o salvo-conduto. A hipótese é avançada por Lao Ngai Leong, deputado de Macau à Assembleia Popular Nacional e inspector do Serviço Fronteiriço Geral de Inspecção de Migração de Zhuhai. Noutro destaque, o Va Kio realça a participação de activistas de Macau na manifestação anti-Japão de Hong Kong.

 

O Ou Mun dá ênfase à morte de um jovem, de 19 anos, na sequência de um grave acidente de viação na Estrada da Ponta da Cabrita. O acidente ocorreu por volta do meio-dia. A polícia suspeita que o jovem perdeu o controlo do motociclo, não conseguindo, depois, evitar um choque violento. O diário também escreve que 5400 candidatos têm documentos em falta no concurso de recrutamento central para a Administração. Os residentes que não regularizem a situação até ao dia 26 deste mês são excluídos do concurso. O Ou Mun dá ainda conta de uma cena de pancadaria numa discoteca da Doca dos Pescadores. A confusão envolveu três residentes e dois cidadãos tailandeses.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi informa, nesta manhã, que foi adiado o julgamento de Joseph Lau e de Steven Lo, empresários de Hong Kong envolvidos no caso Ao Man Long. Por indisposição da presidente do colectivo de juízes, a audiência é reagendada para o dia 7 de Janeiro. A rádio diz ainda que o deputado Chan Meng Kam pede esclarecimentos sobre a derrapagem no orçamento do metro ligeiro.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily diz, no título principal, que “mercado imobiliário aquece, enquanto pataca cai e yuan sobe”. Joey Lao, presidente da Associação Económica de Macau, alerta que, como a pataca está ligada ao dólar, sempre que os Estados Unidos lançam novas medidas de estímulo à economia, o mercado imobiliário do território torna-se “mais barato” para os investidores estrangeiros. Noutro título, o económico coloca, em destaque, as declarações do deputado Gabriel Tong. O também jurista afirma que a reforma eleitoral “não é uma brincadeira”.

 

O Macau Daily Times destaca as manifestações anti-Japão que se têm espalhado por toda a China. Os protestos ganharam ontem contornos violentos, sobretudo em Shenzhen. As manifestações, por causa da contenda em torno das Ilhas Diaoyu, decorreram ainda noutras cidades como Pequim, Xangai, Cantão e Hong Kong. Em chamada de primeira página lê-se ainda que “material de construção abandonado deixa menino com feridas graves na Praia de Hac Sa”.

 

O Macau Post Daily escreve, em manchete, que “activistas locais juntaram-se à marcha em Hong Kong para a defesa das Ilhas Diaoyu”. Dez activistas deslocaram-se ontem a Hong Kong para participar no protesto, organizado pela Comissão de Acção de Hong Kong para a Defesa das Ilhas Diaoyu.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Ponto Final escreve em manchete “Alice no país de Ao Man Long”, em referência ao início do julgamento de oito arguidos acusados de corrupção no caso do antigo secretário, que estava marcado para hoje. O jornal foca que preside ao colectivo Alice Costa, que já condenou a mulher, o pai, o irmão e a cunhada de Ao Man Long. Na fotografia lê-se “ataque ao dengue”. Estão confirmados três casos em Macau, o que levanta receios sobre a possível propagação do vírus.

 

O Hoje Macau coloca em grande plano o Instituto de Habitação que revela que, em seis anos, o organismo gastou 246 milhões em ajudas a proprietários nas obras dos edifícios. O presidente do instituto, Tam Kuong Man, realçou que o valor despendido ao abrigo do Fundo de Reparação Predial abrangeu 2241 beneficiários. Com o destaque “um país, dois sistemas”, o matutino remete para as centrais, que são feitas com a manifestação “Que se lixe a Troika” em Portugal.

 

O Jornal Tribuna de Macau (JTM) faz manchete com os casos de violência doméstica. A polícia já registou 191 casos e os dados, até Julho, apontam para uma média de uma queixa por dia. Em destaque fotográfico vê-se os protestos anti-Japão, que “alastram na China”. Em chamadas de primeira página, o JTM diz ainda que “Governo entende que estaleiros devem ser património industrial” e que Neto Valente contesta nulidade de concessão de lotes do La Scala.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post escreve que “China arrisca revolta por causa de fúria anti-Japão”. Analistas alertam que a táctica de Pequim, de consentir protestos violentos e actos nacionalistas por causa das Diaoyu, pode “acender o rastilho a manifestações sobre assuntos domésticos”. O jornal publica uma fotografia de confrontos entre polícias do corpo de intervenção e manifestantes em Shenzhen.

 

O China Daily também dedica grande parte da primeira página às manifestações anti-Japão. Na fotografia estão captados os protestos contra a compra pelo Japão das Diaoyu em Hong Kong. Mas o jornal toca noutro ponto, dizendo que a China vai enviar às Nações Unidas uma "proposta parcial" para reclamar a soberania sobre as Diaoyu. Esta é a mais recente acção de Pequim para defender a soberania no arquipélago.

 

A manchete do Standard é “Shenzhen explode em fúria anti-Japão”. O jornal diz que o corpo de intervenção levantou os escudos depois de atirar gás lacrimogéneo à multidão. A polícia também teve de recorrer aos canhões de água para acalmar os ânimos em Shenzhen. Os protestos anti-Japão deste domingo ocorreram em mais de 60 cidades chinesas.