Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Ministro português defende turismo para combater desemprego
Segunda, 10/09/2012

O ministro português da Economia e Emprego acredita que o turismo pode ser uma maneira de dar a volta ao desemprego no país. A ideia foi defendida por Álvaro Santos Pereira esta manhã, na primeira sessão do Fórum de Economia de Turismo Global, que arrancou ontem em Macau.

 

O governante começou por tecer elogios à evolução do território e ao modo como foi capaz de responder a desafios globais. “Macau consolidou em poucos anos uma nova relação com o mundo globalizado. Estão assim de parabéns as autoridades locais e centrais, pela visão estratégica demonstrada”, disse.

 

Macau é um reflexo da importância actual do turismo – a “indústria da paz”, salientou Álvaro Santos Pereira, tem hoje um papel decisivo no contexto económico global: “Num contexto financeiro internacional difícil e muitas vezes desfavorável, o turismo é um dos sectores da economia global que melhor resistiram.”

 

Aplicando a teoria a Portugal, o ministro reconhece há “múltiplos factores adversos” que condicionam a procura mas, ainda assim o mercado está a crescer. “Este ano e até Junho, as receitas do turismo tiveram um crescimento de cinco por cento depois de terem crescido, em 2011, sete por cento ao ano.” O peso do turismo no PIB português ultrapassa os dez por cento, acrescentou, e tem uma importância de 14 por cento no que toca ao emprego.

 

“A criação de emprego é neste momento uma das principais prioridades do Governo português. Não hesito em dizer que a indústria do turismo nos ajudará a cumprir esse objectivo prioritário”, assinalou.

 

Esta capacidade de o turismo ajudar a enfrentar a crise veio mostrar que pode ser uma alternativa aos sectores tradicionais, afirmou ainda Álvaro Santos Pereira, recordando que há uns anos havia um entendimento diferente sobre a matéria.

 

Quanto ao papel que a China pode desempenhar para a dinamização do mercado português, o governante explicou que tem sido feita uma aposta na diversificação, que passa pelos mercados emergentes. A China enquadra-se neste contexto, tendo sido registado um aumento de 25 por cento no número de turistas do país em Portugal.

 

O ministro da Economia e do Emprego fez ainda referência às relações entre Portugal, Macau e China Continental. “Em Portugal, além dos fluxos económicos e comerciais crescentes, os laços interculturais e linguísticos estão a ser reforçados. A aprendizagem da língua chinesa está a suscitar o interesse de um número crescente de portugueses”, vincou, aditando que “o Instituto Confúcio tem desenvolvido um trabalho notável em Portugal”. Álvaro Santos Pereira destacou as parcerias entre o Instituto do Turismo de Portugal e o Instituto Confúcio “na formação de jovens para apoiarem os cidadãos de língua chinesa que, cada vez mais, visitam Portugal”.

 

Ainda esta manhã, o ministro teve um encontro com o secretário para a Economia e Finanças, Francis Tam. Já esta tarde, o governante regressou à Torre de Macau para uma sessão de apresentação do turismo em Portugal. Da agenda de hoje de Álvaro Santos Pereira faz ainda parte uma reunião com o antigo Chefe do Executivo de Macau, Edmund Ho, actual vice-presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês. Ontem, pouco depois da chegada a Macau, o ministro foi recebido por Chui Sai On.