Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Eric Sautedé: Educação Nacional é “erro estratégico”
Quinta, 06/09/2012

Continuam os protestos em torno da introdução da disciplina de Educação Nacional nas escolas de Hong Kong. Há mais pessoas a juntarem-se à greve de fome, com muitos manifestantes concentrados junto à sede do Governo. Ao oitavo dia de manifestações, o Executivo começa agora a ponderar a possibilidade de adiar a questão. A comissão responsável pela matéria disse hoje que tem indicações do Executivo para negociar outras opções.

 

Na análise ao que se está a passar em Hong Kong, o politólogo Eric Sautedé diz que esta tentativa do Governo de C.Y. Leung foi um passo em falso. Desde logo, sublinha, há um consenso em relação à região que nem historiadores, nem politólogos questionam. A identidade está bem definida e o papel dos hongkongers também: “Existe uma noção de uma missão especial para a China, demonstrando, claro está, que são patriotas, por um lado, mas, por outro, que ser patriota não é aceitar que a verdade seja retalhada e ser-se demasiado selectivo na aprendizagem da história do país”.

 

Por isso, aponta o académico, ex-residente de Hong Kong, C.Y. Leung cometeu um erro estratégico com a tentativa de introdução da Educação Nacional nas escolas. “Ele devia ter adiado. É claramente um erro estratégico e é um erro ainda maior uma vez que as eleições legislativas estão aí”, afirma. “Conseguiram usar as manifestações Diaoyu/ Senkaku pela primeira vez desde 2006 – desde essa altura que um barco não tinha autorização para sair das águas de Hong Kong, o que dá a indicação de que não foi por acaso”, atira.

 

O novo Governo tem estado a navegar nestas águas nacionalistas, onde só viajam alguns, acrescenta Eric Sautedé, e a educação é uma área nobre em Hong Kong. Ainda assim, a formação na antiga colónia britânica tem vindo a diminuir, aponta o relatório mais recente do Fórum Económico Mundial, o que faz com que, na perspectiva do politólogo, seja uma má altura para criar resistências no sistema educativo. “Cria-se uma grande oportunidade para aqueles que estão a lutar pelas pessoas de Hong Kong em primeiro lugar, e por Hong Kong governado por gente de Hong Kong, para levantarem a cabeça e mostrarem o que querem. Numa altura em que temos eleições legislativas, o timing é péssimo.”