Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Larry So: Hong Kong deve adiar Educação Nacional
Quinta, 06/09/2012

O Governo de Hong Kong deve adiar a introdução da disciplina de Educação Nacional nos currículos das escolas da região. A ideia é defendida pelo académico Larry So, na análise aos protestos desta semana.

 

Com pouco mais de dois meses de mandato à frente do Executivo da região, C.Y. Leung enfrenta uma crise que, para o professor do Instituto Politécnico de Macau, só pode ser ultrapassada com uma mensagem muito clara. “O Governo tem de acalmar as pessoas dizendo, com muita clareza, que a política para a Educação Nacional não é uma lavagem cerebral, antes de mais”, salientou, em declarações à Rádio Macau. “Em segundo lugar, há conteúdos que devem ser revistos. Na verdade, é melhor o Governo adiar a medida por um ano para que a comunidade possa sentar-se à mesa e trabalhar o currículo da Educação Nacional.”

 

O académico, natural de Hong Kong, não alinha no discurso da lavagem cerebral, mas concorda com os que dizem que faltam conteúdos importantes no currículo. “Não digo que seja exactamente uma lavagem cerebral mas, olhando para o currículo, falta de facto um pensamento crítico. Não se encorajam os jovens a pensar com independência. Há falhas nos conteúdos. Toda a gente tem vindo a falar do 4 de Junho – a dimensão do incidente no currículo é nada”, aponta.

 

Larry So defende que é preciso incluir os acontecimentos trágicos da China que se seguiram à queda da dinastia Qing. O professor acredita que a identidade nacional não se pode construir sem um sentido crítico.