Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Reolian garante que paga despesas de saúde de funcionário
Sexta, 31/08/2012

A Reolian convocou uma conferência de imprensa para garantir que pagou todas as despesas hospitalares ao funcionário da empresa atropelado no terminal de autocarros das Portas do Cerco. Desta forma, a empresa disse pretender acabar com rumores e mal entendidos que, acusa a empresa, têm partido da família do funcionário.

 

Em termos de despesas médicas, a Reolian garante que pagou, até ao momento, 165 mil patacas através da seguradora.

 

No entanto, a família do funcionário reclama uma declaração da empresa que garanta o pagamento de todas as despesas médicas e a Reolian não cede, com o director da concessionária de autocarros, Stephen Chok, a sublinhar que a declaração vai contra a lei: “Já há uma lei que protege as vítimas de acidentes de trabalho. Nós, os responsáveis da empresa, já mais de uma vez, na televisão e em frente dos media, prometemos que vamos assumir todas as responsabilidades com a vítima e com as despesas médicas. A menos que haja uma lei que nos obrigue, achamos que assinar um documento que é contra a lei não é a maneira mais adequada de tratar da questão”.

 

A lei define que uma empresa fica obrigada, em caso de acidente de trabalho, a pagar as despesas medicas até um patamar de três milhões de patacas.

 

Stephen Chok diz que o acidente custou cerca de 280 mil patacas à Reolian e mostrou comprovativos das despesas: uma fotocópia de um cheque no valor 15 mil patacas, que terá sido o pagamento do depósito ao hospital Kiang Wu; uma fotocópia de uma doação à família do funcionário, logo depois do acidente, de mais de 41 mil patacas e uma fotografia de um documento comprovando uma doação de quase 49 mil patacas feita pelos outros funcionários da empresa.

 

O director da Reolian lembra que há acidentes inevitáveis, mas admite que é preciso melhorar a comunicação entre os chefes e os motoristas: “O problema está na comunicação entre o pessoal de topo e a linha da frente. Há sempre mal entendidos sobre o que nós pretendemos. Se calhar há falta de confiança em nós, os directores”.

 

Stephen Chok promete ainda mais formação para os motoristas, para que comecem a ter mais sensibilidade na condução de pessoas.

 

Ainda na conferência de imprensa desta tarde, o director da Reolian disse acreditar que o Governo vai autorizar um aumento das tarifas neste ano: “Temos o direito, como diz o contrato, de requerer uma revisão de tarifas todos os anos, por causa dos custos dos combustíveis e da mão de obra e da inflação. Nós já operamos há um ano, e com preços de há três anos.  Há uma diferença grande em relação aos custos de agora, por isso é que queremos divulgar as contas. De qualquer forma, temos esperança, assim como as outras duas operadoras, que o Governo possa aprovar a subida o mais rapidamente possível”.