Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 30/08/2012

A imprensa de Macau destaca o plenário na Assembleia Legislativa, em que foram aprovadas as alterações às leis eleitorais. A possibilidade de novas medidas para o arrefecimento do mercado imobiliário é outro dos temas que está a marcar a actualidade local. Em Hong Kong, os jornais também fazem os títulos principais com o mercado imobiliário e com a economia chinesa.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun coloca em grande plano a subida em mais de 40 por cento, em alguns meses, das transacções no mercado imobiliário. A média é de 5800 patacas - o valor mais alto de sempre. Face a isto, o Governo não exclui a hipótese de reforçar ou implementar novas medidas com vista ao arrefecimento do mercado imobiliário. O matutino dá ainda conta de que já foram substituídas ou reparadas as mais de mil lâmpadas das três pontes. A iluminação foi afectada durante a passagem dos últimos tufões por Macau.

 

O Va Kio destaca a aprovação, na Assembleia Legislativa, das alterações às leis eleitorais. A Associação Geral das Mulheres já veio dizer que a decisão vai de encontro “ao bem e interesses da população”. Também a Associação Comercial de Macau demonstrou agrado face à decisão da Assembleia, defendendo, agora, o reforço da divulgação das duas metodologias.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi noticia, esta manhã, que a Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes recebeu 14 propostas para as obras de remodelação das instalações da Direcção dos Serviços de Economia, que funciona no 6º andar do Edifício Banco Luso Internacional.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Daily Times escreve, em letras grandes, “leis eleitorais conseguem aprovação final e opiniões divergentes são projectadas nas paredes do antigo tribunal”. Enquanto os deputados aprovavam, na especialidade, as propostas de lei para a reforma eleitoral, a Associação Novo Macau projectou mais de 200 mensagens, da população, contrárias aos assentos decididos pelo Governo. O jornal faz ainda referência ao arranque do ano lectivo na Universidade de Macau. A instituição de ensino recebeu mais de 1.500 alunos novos para o primeiro ano.

 

O Business Daily destaca o mercado imobiliário que “encara novo arrefecimento”. O Governo está a estudar mais uma ronda de medidas, nas vertentes do crédito à habitação, do imposto imobiliário, da venda de edifícios em construção e da aceleração da aprovação de projectos. Em Junho, a média das transacções era quase 50 por cento superior ao mesmo período do ano passado. Noutro destaque, o económico escreve que a “reforma política cozinhada pelo Governo” saiu da Assembleia Legislativa a tempo de ser implementada antes das eleições do próximo ano. Mas disposição sobre os lugares para a via indirecta esteve perto de não conseguir os votos necessários, tendo sido “salva” pelo “voto inédito” do presidente Lau Cheok Va.

 

O Macau Post também faz manchete com a votação das leis eleitorais, com o título “distribuição de assentos para os indirectos incendeia” a Assembleia Legislativa. As duas propostas de lei só passaram depois de uma segunda leitura. Na primeira página, ainda espaço para o magnata do jogo Kazuo Okada, que interpôs uma acção por difamação no tribunal de Tóquio contra a Wynn Resorts.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Ponto Final escreve, no título principal, “futuro mais indirecto”. Florinda Chan admite que “o aperfeiçoamento do sistema político” poderá no futuro contemplar um novo aumento de deputados indirectos. As alterações às leis eleitorais – Assembleia Legislativa e Chefe do Executivo – foram ontem aprovadas em plenário. No destaque fotográfico, lê-se “limpeza na São José”. Cerca de uma dezena de professores receberam cartas de cessação de contratos na universidade. Fontes alegam “perseguição” aos docentes mais próximos do antigo reitor, Ruben Cabral. Peter Stilwell responde.

 

O Hoje Macau coloca em grande plano a Reolian. O matutino avança que “motoristas enfrentam Ministério Público”. A ida a tribunal é uma hipótese “cada vez mais provável”. O caso do condutor que feriu uma idosa, obrigada depois a amputar as pernas, já passou para a PSP que confirmou ter encontrado “ofensa criminal” e enviado o processo para o Ministério Público. Noutro destaque, António Fernandes fala em “falta de condições nas Paralimpíadas”. O presidente da Associação Recreativa dos Deficientes de Macau acusa a Aldeia Olímpica de Londres de ter “as piores condições para os deficientes”, que são “desprezados”.

 

O Jornal Tribuna de Macau tem duas manchetes na edição de hoje. Na do lado esquerdo lê-se que deputados Kwan Tsui Hang, Mak Soi Kun e Au Kam San “pedem Governo mais humano”. Na manchete do lado direito, “mulher de funcionário atropelado quer garantias” e Reolian assegura estar a pagar todos os gastos médicos. Destaque na capa, ainda para o dia dos Diabos Esfaimados. Bombeiros “alertam contra incêndios devido à festividade ancestral”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post diz, na manchete, que “sondagens caem em confusão”. As previsões sobre a eleição para o Conselho Legislativo de Hong Kong estão a tornar-se “mais difíceis”, por causa da margem de erro e do elevado número de candidatos. Noutro título, o diário escreve que comerciantes do continente chinês ajudam Hong Kong”. Alguns comerciantes respondem assim às críticas do director dos Serviços de Turismo, James Tien Peichun. Os cidadãos do continente, que compram bens e produtos em Hong Kong para vender do outro lado da fronteira, insistem estar a contribuir para o desenvolvimento económico da antiga colónia britânica. Mas Peichun teme o crescimento deste mercado paralelo.

 

O China Daily destaca as declarações de Zhang Ping, ministro da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China. Zhang Ping garante que “a economia está a estabilizar”, sublinhando, no entanto, que continua a haver “pressões”. O responsável defende mais medidas para “a recuperação do crescimento das exportações” e também para o “impulsionamento da procura interna”. Na fotografia, aparecem o presidente da Associação de Amizade China-Japão, Tang Jiaxuan, e o embaixador do Japão para a China, Uichiro Niwa. A imagem foi captada antes do fórum, em Pequim, que assinalou os 40 anos da normalização das relações sino-japonesas.

 

O Standard fala em novas medidas para o arrefecimento do mercado imobiliário. O jornal diz que o Governo procura, proactivamente, terrenos para a construção de apartamentos que só podem ser vendidos a compradores de Hong Kong.