Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Reolian assume responsabilidade de novo acidente
Quinta, 23/08/2012

A concessionária de autocarros Reolian assume a responsabilidade pelo acidente que feriu um funcionário da empresa, terça-feira, no terminal das Portas do Cerco. Em conferência de imprensa, o director-geral da empresa, Cédric Rigaud, afirmou que “queremos pedir desculpas à família e dizer que vamos prestar apoio durante esta hora difícil”. De acordo com o director-geral, a empresa accionou um fundo de emrgência através do qual será prestada assistência ao funcionário ferido e respectiva família.

 

O funcionário, responsável pelo estacionamento dos veículos da empresa no terminal das Portas do Cerco, “continua no hospital, sob vigilância”, depois de, na terça-feira, ter sofrido um acidente em que quase foi esmagado entre dois autocarros.

 

Apesar de Cédric Rigaud deixar alguns reparos à falta de iluminação, à falta de limites de velocidade e à falta de espaço no terminal, o director-geral sublinha que a Reolian assume a responsabilidade pelo acidente “porque, obviamente, vai contra a nossa política, as nossas regras, e é algo inaceitável e que não queremos que se repita.”

 

Para evitar novos acidentes, a Reolian diz ter em prática um sistema de controlo de segurança e também métodos de investigação aos acidentes que podem resultar no despedimento de condutores, se forem considerados culpados.

 

Cédric Rigaud afirma que, actualmente, todos os motoristas responsáveis por acidentes não conduzem mais autocarros da empresa, mas reconhece que essa medida, por si, não resolve o problema: “Todos os condutores que estiveram envolvidos em acidentes estão afastados das estradas, não conduzem mais. Mas é verdade que, mesmo com este princípio, continuamos a ter acidentes que não podemos aceitar, nem nós nem o público. Por isso, temos que ir mais longe. Reconhecemos que temos dificuldade em fazer com que todos os funcionários sigam as nossas medidas de segurança. Temos que nos esforçar mais para fazer com que os condutores e outro pessoal da linha da frente trabalhe no mesmo sentido de garantir a segurança”. De acordo com os dados da Reolian, a empresa regista quatro acidentes por cada mil quilómetros, uma taxa considerada “normal” pela concessionária.

 

Sobre o acidente de terça-feira, Cédric Rigaud diz que o motorista que atropelou o funcionário está suspenso a aguardar a conclusão da investigação interna da Reolian. Actualmente, são quatro os motoristas que a empresa proibiu de conduzir autocarros.

 

Sobre o caso dos panfletos que apareceram em autocarros acusando a gerência da Reolian de obrigar os motoristas a conduzir em excesso de velocidade, o director-geral diz que aguarda a conclusão de uma investigação, mas adiante acreditar que alguns motoristas estão envolvidos.