Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

“Trovoada 12”: 303 suspeitos encaminhados para o MP
Quinta, 16/08/2012

Mais de 300 pessoas foram detidas em Macau durante a megaoperação “Trovoada 12”. O balanço da acção – que durou um mês e decorreu em colaboração com as polícias de Hong Kong e Guangdong – foi feito hoje pelos Serviços de Polícia Unitários (SPU), apesar de a operação ter já terminado no passado dia 8.

 

Durante a operação, foram identificadas 9510 pessoas, sendo que 1155 indivíduos foram levados para a esquadra. Destes, 303 suspeitos foram encaminhados para o Ministério Público.

 

A polícia acredita ter apanhado os autores de 215 crimes, de tipos variados: vão do consumo e tráfico de estupefacientes ao sequestro. Na lista hoje apresentada há ainda roubos, furtos e um caso de corrupção, vários delitos ligados ao jogo – como usura e exploração de mah-jong –, e posse de armas, com quatro suspeitos envolvidos. As reentradas ilegais ultrapassaram as duas dezenas, bem como as ofensas simples à integridade física.

 

A “Trovoada 12” tinha como objectivo o combate à criminalidade transfronteiriça – uma das metas era o combate ao tráfico humano, mas as estatísticas mostram que a polícia não resolveu qualquer caso deste género. O adjunto do comandante geral dos SPU desvaloriza o facto. “Esta operação durou um mês. O nosso trabalho de combate ao tráfico humano não se faz apenas num mês”, disse Ma Io Kun.

 

O responsável referiu ainda que todos os crimes – mesmo os que parecem mais insignificantes – são importantes e merecem a atenção da polícia. Ma Io Kun sublinhou que esta atenção não é prestada apenas durante estas operações especiais.

 

Na sequência da “Trovoada 12”, as autoridades de Macau expulsaram 198 pessoas e encaminharam um indivíduo para a polícia de Hong Kong. Conseguiram ainda encontrar 29 pessoas que eram procuradas pela justiça. Dos 303 detidos, há já 24 julgados e condenados. No que toca a medidas de coacção, oito suspeitos ficaram a aguardar julgamento em prisão preventiva.

 

Quanto aos bens apreendidos, foram muitos e de diferentes géneros: destaque para mais de dois milhões de dólares de Hong Kong, três armas de electrochoque e 144 preservativos, além de drogas diversas.

 

Os SPU pensam já noutra operação do género, que deverá acontecer no Outono. No final do ano, deverá sair da prisão Pang Nga Koi. Os jornalistas quiseram saber se a polícia vai tomar medidas especiais, mas Ma Io Kun optou por não falar em casos particulares. “No caso de haver pessoas a cometer crimes, a polícia não vai ficar parada. Vai agir de certeza”, afirmou.