Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Chui Sai On na AL: Arnaldo Gonçalves pede sinal de confiança
Quinta, 09/08/2012

O Chefe do Executivo deve transmitir à população confiança em relação ao futuro do território, defende Arnaldo Gonçalves. Na véspera da deslocação de Chui Sai On à Assembleia Legislativa, o analista deixa o alerta: a rápida integração regional e a mudança de líderes da China levantam dúvidas sobre a autonomia de Macau.

 

A população precisa de ter confiança a vários níveis, para acabar com medos e frustrações, entende o especialista em assunto internacionais, que começa por levantar uma questão que se prende com o quotidiano. Para Arnaldo Gonçalves, Chui Sai On deve gerir as expectativas da população nos aspectos em que se sente frustrada, nomeadamente no que diz respeito a acessibilidades – a rede viária e a rede de transportes. “A comunicação e os transportes são importantes para qualquer sociedade civilizada”, vinca, atribuindo os problemas existentes na cidade a um “mau planeamento” e a “uma resposta incompleta” de alguns sectores da Administração.

 

Quanto ao futuro de Macau, o analista entende que o Chefe do Executivo deve ter uma palavra de confiança. A China vai ter novos líderes no final do ano, a integração está a ser rápida e o Chefe do Executivo é o “guardião” do espaço de autonomia de Macau, um aspecto em que, considera, nem sempre tem colocado a devida tónica. Por isso, é “importante” deixar um sinal às várias comunidades que cá estão, porque “passa pela cabeça de muita gente, de observadores a operadores do Direito, passando por outras pessoas que pensam e tentam formar opiniões, que essa questão da autonomia, à medida que o tempo passa, deixa de ter qualquer significado ou sentido, e parece que a integração para a frente e força na Mãe Pátria chega para resolver todos os problemas de Macau".

 

Arnaldo Gonçalves foi um dos entrevistados da Rádio Macau, que tem estado ao longo desta emissão a ouvir pessoas de diferentes quadrantes sobre as prioridades que o Executivo deve ter em conta na governação do território.