Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Aurea e Teresa Salgueiro no Festival Internacional de Música
Terça, 07/08/2012

As portuguesas Aurea e Teresa Salgueiro fazem parte do cartaz deste ano do Festival Internacional de Música. Entre 5 de Outubro e 7 de Novembro, são 23 os espectáculos que prometem animar Macau. Este ano, o festival contou com um orçamento de 30 milhões de patacas. Os bilhetes são postos à venda no dia 12, na rede Kong Seng.

 

Aurea sobe ao palco na Fortaleza do Monte no dia 26 de Outubro. Com apenas 24 anos de idade, a cantora portuguesa é já um caso sério de sucesso. Em 2010, foi considerada a voz revelação em Portugal e, com o primeiro disco, “Aurea”, atingiu o top português de vendas.

 

Um dia depois de Aurea, a Fortaleza do Monte recebe Teresa Salgueiro. A antiga voz dos Madredeus regressa a Macau, onde já esteve com a a antiga banda, para apresentar o seu último trabalho a solo, “Mistério”.

 

No programa da 26ª edição do Festival Internacional de Música há mais portugueses com os Fried Neuronium, de Zé Eduardo, figura lendária do Jazz em Portugal, que vão juntar-se a três bandas locais para o concerto Ain’t That Swinging, na Fortaleza do Monte, no dia 28 de Outubro.

 

O Jazz oferece, de resto, um dos pontos altos do festival com a actuação da norte-americana Legendary Count Basie Orchestra, no Centro Cultural, no dia 17 de Outubro.

 

A abrir a cortina do festival, no dia 5 de Outubro, o Grande Auditório do Centro Cultural apresenta o musical “Peter Pan”, numa produção que venceu dois Emmys e por duas duas vezes foi nomeada para os Tony Awards.

 

Na música clássica, outro ponto alto será a actuação do violinista russo multi-premiado Vadim Repin, no dia 14 de Outubro, no Centro Cultural. Mas o programa da música clássica começa no dia 9 de Outubro, no Teatro Dom Pedro V, com um concerto do agrupamento Imani Winds – vem dos Estados Unidos e é considerado um dos quintetos de sopros  mais importantes da actualidade.

 

Este ano, a ópera escolhida é “Tosca”, de Puccini. Nos dias 1, 3 e 4 de Novembro, o maestro Lu Jia dirige a Orquestra de Macau e um vasto elenco de cantores que dão corpo, voz e alma a uma história clássica de amor e morte.

 

Já no Teatro Dom Pedro V, entre os dias 19 e 21 de Outubro, é levada à cena “La Serva Padrona”, uma ópera em dois actos de Giovanni Battista Pergolesi.

 

Para os amantes de música antiga, o programa apresenta “The English Concert”, no dia 12 de Outubro, na Igreja de São Domingos. É uma das orquestras de câmara mais aclamadas, com mais de 120 gravações de música clássica e barroca.

 

O cartaz não esquece ainda os artistas de Macau – a compositora, pianista e maestrina Lam Bun-Ching apresenta dois concertos de música de câmara no Dom Pedro V, o local que, no dia 22 de Novembro, abre as portas a Dolcenera, uma das artistas pop mais famosas em Itália.

 

Destaque ainda para a chamada música do mundo, que este ano estará representada pelos sons da Mongólia Interior com os Haya – actuam no dia 5 de Novembro, no Centro Cultural.

 

O festival fecha em beleza dois dias depois, a 7 de Novembro, com uma actuação da Orquestra Sinfónica de São Francisco, dirigida por Michael Tilson Thomas.