Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (sexta-feira)
Sexta, 03/08/2012

Declarações de Francis Tam sobre a alegada transferência ilegal de documentos, por parte da Sands China, de Macau para os Estados Unidos e o recrutamento centralizado para a Administração são temas em destaque, hoje, na imprensa em chinês. Nos jornais portugueses, a Feira de Produtos de Marca e uma batalha judicial entre Governo e Pedro Chiang fazem as parangonas, enquanto que, em Hong Kong, destaca-se o recorde de poluição registado ontem.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Jornal Va Kio destaca a garantia do secretário para a Economia e Finanças, Francis Tam, de que a suspeita de transferência ilegal de documentos de Macau para os Estados Unidos por parte da Sands China está a ser investigada pelo Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais. Diz ainda Francis Tam que o Governo tem fiscalizado eficazmente as operadoras de jogo.

 

Chamada também à primeira do Va Kio para o Comissariado contra a Corrupção que detectou um caso suspeito de abuso de poder por parte de um guarda prisional que terá entregue vários objectos proibidos no Estabelcimento Prisional a um recluso.

 

Mais crime nesta edição: a PSP deteve, na última madrugada, dois taxistas e uma mulher russa, alegadamente prostituta. Os taxistas são suspeitos de transportar mulheres a serviços, recebendo uma retribuição de 100 patacas por cada viagem.

 

No jornal Ou Mun, está em foco que o Governo estima que haverá milhares de candidaturas para o recrutamento centralizado. No primeiro dia, houve 330 inscrições no balcão de atendimento e 1200 marcações prévias feitas através da Internet.

 

Outro recrutamento na primeira do Ou Mun: há cerca de dois mil concorrentes para o concurso de investigação criminal da Polícia Judiciária.

 

Destaque, ainda, para a delegação dos astronautas chineses que visitam Macau este mês.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

O canal chinês da Rádio Macau, a Ou Mun Tin Toi, destaca esta manhã, na actualidade local, que já foram aplicadas medidas de coacção a três pessoas que recentemente foram detidas por envolvimento no tráfico de droga.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

Dois títulos dividem as atenções na primeira página do Jornal Tribuna de Macau: “Avaliação independente termina em Setembro – DSEJ atenta ao ensino especial”, e “Pouco espaço para muitos negócios – aberta a 4ª edição da Feira de Marcas”.

 

Em grande plano surgem os três astronautas chineses que, recentemente, completaram com sucesso uma missão espacial: “’Taikonautas’ visitam Macau”.

 

O jornal Hoje Macau escreve hoje nas parangonas que “No fim ganha sempre o Chefe” – “Última Instância tira razão a empresa de Pedro Chiang, dando vitória ao Governo”. Referência para o recurso final ganho pela Administração, num caso “contra uma companhia da qual o empresário foragido era gerente-geral. A decisão anterior, do Tribunal de Segunda Instância, foi contrariada.”

 

Outra notícia a merecer grande destaque nesta edição fala na possibilidade, se a obra avançar, de o Ponte 16 dar “sistema contra inundações e mais electricidade ao bairro”.

 

Espaço, ainda, para os títulos: “Associação de jovens macaenses já é oficial”, “Poluição atmosférica – Macau está mal mas Hong Kong ainda vai pior”.

 

“Made in mas pouco”, escreve o Ponto Final. “A Feira de Produtos de Marca de Guangdong e Macau inaugurou ontem com mais de duzentas empresas representadas. A produção local é escassa: nove empresas dos ramos alimentar, têxtil e artigos ecológicos de limpeza.”

 

O outro tema em grande foco faz alusão à poluição que se abate sobre o Delta do Rio das Pérolas: “Macau escapa à nuvem tóxica”. “A qualidade do ar em Macau está no ‘limite da salubridade’. Mas Hong Kong está em estado de alerta, com ‘ar muito insalubre’, explica o director dos Serviços de Meteorologia.”

 

No semanário O Clarim, a manchete fala em “Escravatura dos tempos modernos – há mulheres não residentes exploradas por agências de emprego”.

 

Outro destaque: “Escola de São Paulo inaugura primeiro edifício ecológico de Macau – Respeito pelo Ambiente”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Daily Times faz a manchete de hoje com um pedido de várias associações feito ontem ao Governo para que a comparticipação pecuniária suba de 7 mil para 10 mil patacas no próximo ano. Os grupos pedem, ainda, que, este ano, o Governo distribua mais um cheque de 3 mil patacas.

 

Outro título desta edição faz referência às acusações da Associação Novo Macau sobre o que considera de secretismo em torno da gestão da Universidade de Macau. Numa petição entregue ontem ao Executivo pede-se que seja tornado público o orçamento do novo campus na Ilha da Montanha.

 

Ainda na primeira do Macau Daily Times há uma chamada para o início das provas de atletismo nos Jogos Olímpicos de Londres, mais logo.

 

No primeira do Macau Business Daily, domina o pedido de vendedores de automóveis para que o Governo tome medidas no sentido de incentivar o desaparecimento de carros velhos e poluentes das estradas de Macau, substituindo-os por carros novos e amigos do ambiente. É a reacção dos comerciantes de automóveis à proposta de um académico em taxar a aquisição de automóveis como forma de combater o excesso de veículos.

 

A encimar a primeira página, chamada para a notícia de que o ex-secretário Ao Man Long ainda detém uma participação de 20 por cento na Waterleau, operadora da Estação de Tratamento de Águas Residuais da Taipa. Diz o jornal que cabe aos Serviços de Finanças recuperarem a participação do antigo secretário, condenado por corrupção.

 

Nesta edição, também está em destaque a petição da Associação Novo Macau para que o orçamento do novo campus da Universidade de Macau seja tornado público.

 

Finalmente, o Macau Post Daily Independent dá o maior destaque de hoje à notícia de que um chefe de cozinha francês foi detido por filmar as cuecas de mulheres vestindo saias que encontrava em paragens de autocarro. O suspeito, escreve o jornal, “culpa a solidão” pelos actos que praticou.

 

Em foco nesta primeira página está também o pedido da Associação para o Jogo Responsável de que a idade mínima para trabalhar ou entrar num casino seja elevada de 18 para 24 anos, e não para 21, como se defende na proposta que, em breve, os deputados começam a analisar.

 

O presidente da associação diz que o limite de idade de 24 anos permite aos jovens estudar e formarem-se, bem como ganharem a maturidade necessária para decidirem se querem mesmo trabalhar no jogo.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Um pedido de especialistas em questões ambientais faz a manchete do South China Morning Post: propõe-se que a população do território seja avisada sobre os riscos para a saúde da poluição do ar – pedido feito após Hong Kong ter registado, ontem, o  nível de poluição mais elevado de sempre.

 

Também em grande plano surge Yip Pui-yin, a atleta de badminton de Hong Kong que foi eliminada dos Jogos Olímpicos de Londres pela chinesa Li Xuerin.

 

Outro título em destaque nesta edição diz que o magnata Li Ka Shing, o homem mais rico da Ásia, não pensa reformar-se tão cedo.

 

No jornal The Standard, domina a notícia de que aumentou o investimento no projecto de West Kowloon Cultural District. O plano beneficia agora de uma injecção de dois mil milhões de dólares de Hong Kong.

 

Outro destaque vai para o comportamento das bolsas nos Estados Unidos e na Europa, que esta quinta-feira fecharam em queda depois de o Banco Central Europeu ter dado sinal de que não vai tomar medidas imediatas de apoio à zona euro, como alguns analistas do mercado esperavam.

 

Finalmente, o China Daily, o jornal oficial chinês em língua inglesa, destaca um grupo de investidores chineses que se prepara para tomar uma posição no histórico clube de futebol italiano Inter, adquirindo 15 por cento do emblema.

 

Ao lado, um destaque fotográfico da passagem do tufão Saola, que é esperado atingir hoje a costa chinesa, numa altura em que os ventos fortes e as chuvadas já se fizeram sentir.