Em destaque

26 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.0301 patacas e 1.1139 dólares norte-americanos.

Dia Mundial das Hepatites: Macau com alta taxa de hepatite B
Sábado, 28/07/2012

A taxa de prevalência da Hepatite B em Macau situa-se entre os 8 e os 12 por cento. Um número elevado de acordo com os Serviços de Saúde, quando hoje se assinala o Dia Mundial das Hepatites.

 

Em comunicado os Serviços de Saúde dizem que o mau entendimento sobre a forma de transmissão da doença, tem provocado uma discriminação nas instituições educativas e nos locais de trabalho, entre cerca de 10 por cento dos indivíduos com a infecção da hepatite crónica pelo vírus B. 

 

No ano passado os Serviços de Saúde realizaram actividades para uma maior divulgação da doença e evitar a descriminação.

 

Uma das iniciativas foi junto dos profissionais de saúde -  médicos e os enfermeiros do hospital público, dos centros de saúde e hospitais privados - com um inquérito sobre o conhecimento dos meios de transmissão da hepatite B. No total foram recebidos 853 questionários. De acordo com os resultados, os profissionais de saúde em Macau conhecem bem a via de transmissão das hepatites A e B, com uma taxa de conhecimento de 86 por cento  e 75 por cento.  No entanto, revelou o inquérito, existe em geral um mau entendimento na prevenção da transmissão do vírus da hepatite B, nomeadamente com a noção errada que os portadores do vírus da hepatite B não podem exercer funções nos hotéis ou no sector de restauração.

 

Num outro inquérito, sobre a política dos diversos sectores de Macau em relação ao recrutamento de portadores de hepatite B, verificou-se que o teste da hepatite B faz parte integrante do exame médico para ingresso no âmbito do processo de recrutamento de pessoal. Das instituições ouvidas 71,4 por cento indicaram que, em caso de qualquer candidato ser doente ou portador da hepatite B, segundo o resultado do exame efectuado, seria excluído.

 

De acordo com os cálculos da Organização Mundial de Saúde, actualmente, cerca de 350 milhões de pessoas são portadores crónicos do vírus da hepatite B e 150 milhões são portadores crónicos da hepatite C. Por outro lado, verificam-se anualmente 1,4 milhões de casos novos da hepatite A.