Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Macau com 700 professores a menos
Quarta, 18/07/2012

Faltam em Macau 700 professores. Os dados são da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ), que prevê que cerca de 300 novos docentes sejam contratados para o próximo ano lectivo.

 

A falta de recursos humanos resulta do Quadro Geral do Pessoal Docente das Escolas Particulares do Ensino Não Superior, aprovado este ano e que vai ser implementado no segundo semestre. É que um dos principais objectivos é reduzir gradualmente a carga horária de cada professor, das actuais 26 ou mais aulas por semana até 16 a 18. Os docentes queixaram-se durante anos de que davam demasiadas aulas por semana, com a nova legislação a determinar uma menor carga horária.

 

Wong Kin Mou, chefe do Departamento de Pesquisa e Recursos Humanos da DSEJ, considera que é difícil preencher todas as vagas num só ano lectivo, mas está confiante que a direcção de serviços vai conseguir completar o quadro nos próximos três a quatro anos.

 

O responsável falava após a reunião plenária do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior, na qual apresentou os trabalhos para reforço da equipa docente. Wong Kin Mou disse que, nos últimos cinco anos, as escolas recrutaram anualmente mais de 300 docentes, e têm recebido cada vez mais currículos de candidatos, o que lhes permite uma maior escolha.

 

O chefe de departamento acrescentou que há mais de mil estudantes a dedicarem-se actualmente à área do ensino, mas também referiu que, nos últimos dez anos, cerca de 4 mil professores deixaram de leccionar – algumas centenas por se terem reformado, mas mais de 3600 devido ao stress e aos salários baixos, o que a DSEJ pretende agora mudar.

 

O Governo garante que, no âmbito do quadro geral a ser implementado, 70 por cento dos subsídios a atribuir aos estabelecimentos de ensino serão para financiar os salários dos professores. Wong Kin Mou anunciou que está previsto um ajustamento em 2013 e reconheceu que ainda há espaço para um aumento dos vencimentos. No entanto, as contas só começam a ser feitas no final de Agosto ou no princípio de Setembro, depois de as escolas entregarem à DSEJ os dados relativos ao número de docentes contratados.