Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Leonel Alves em novo artigo polémico publicado nos EUA
Terça, 17/07/2012

Foi hoje publicado mais um artigo sobre Sheldon Adelson e as Las Vegas Sands que levanta questões sobre a intervenção de Leonel Alves na operadora. O texto, uma investigação da Universidade da Califórnia, revela nova correspondência de Steve Jacobs e também um email de Leonel Alves enviado ao antigo consultor jurídico da Venetian, o advogado Luis Melo.

 

No longo artigo, os autores começam por dizer que alguns dos métodos de expansão da fortuna de Sheldon Adelson estão a ser escrutinados pela justiça norte-americana. O texto publica emails nunca antes divulgados, correspondência que, destaca-se, foi disponibilizada por pessoas que tiveram acesso autorizado a estes documentos.

 

O texto da Universidade da Califórnia afirma que Sheldon Adelson deu instruções para que Leonel Alves recebesse 700 mil dólares americanos de honorários, mais de cinco milhões e meio de patacas. Fontes não identificadas dizem que este valor está a ser investigado nos Estados Unidos, para se saber se a Sands violou a lei norte-americana, devido ao estatuto político de Alves, deputado e membro do Conselho Executivo. Estes honorários, pedidos em 2009, seriam três vezes superiores ao inicialmente acordado. Altos responsáveis da empresa terão avisado que o valor seria difícil de justificar às autoridades dos Estados Unidos.

 

De acordo com documentos citados no artigo, Leonel Alves teve encontros com políticos e autoridades locais para discutir várias questões relacionadas com a Sands, numa altura em que a operadora tinha problemas de dinheiro, ou seja, em 2008 e 2009.

 

É aqui que entra um email enviado ao advogado Luís Melo, à data o consultor jurídico da Sands. Neste email de 12 de Agosto de 2008, Alves escreve que naquela semana estava “com mais tempo na DSSOPT para acompanhar e pressionar o evoluir do processo de revisão do contrato de concessão do terreno”. Não se sabe se o advogado chegou a estar nas Obras Públicas, mas o artigo relaciona este email com a venda dos apartamentos no Four Seasons, ao referir que, no final de Setembro, as Obras Públicas declararam que o empreendimento não podia ser vendido como propriedade horizontal.

 

Os autores da investigação procuram ainda estabelecer uma relação entre Leonel Alves e a resolução dos problemas da Cotai Waterjets. Na Primavera de 2009, o advogado terá apresentado honorários que são descritos como “reuniões e contactos com o Governo de Macau”. A 19 de Outubro do mesmo ano, Alves encontrou-se com o então Chefe do Executivo, Edmund Ho, e com Chui Sai On. Não se sabe o que discutiram, admite-se no texto, mas garante-se que o advogado cobrou duas horas de trabalho à Sands.

 

Dias depois do encontro com Edmund Ho, a operadora deixou de ter problemas em relação à exploração de barcos para Hong Kong, com o Chefe do Executivo a adjudicar directamente este tipo de concessões.

 

Sobre Leonel Alves, diz-se ainda que se apresentou a Sheldon Adelson como alguém numa “posição única, por ser conselheiro e deputado”. Mas esta descrição das características do advogado é feita num email da autoria de Steve Jacobs, o antigo CEO da empresa. Os autores do artigo recordam que Sheldon Adelson tem uma relação difícil com as autoridades de Pequim, para afirmarem que Alves seria a pessoa ideal para “suavizar” essa relação.

 

Em resposta por escrito aos autores do texto, Leonel Alves explicou que a carreira política nunca interferiu com o trabalho enquanto advogado. Disse ainda que as autoridades americanas e chinesas escrutinaram a actividade que desenvolve e que nada suspeito foi encontrado. O advogado frisa também que os cargos políticos que tem não lhe dão poder executivo ou administrativo, nem tampouco a possibilidade de influenciar as autoridades – explicações que, aliás, deu no passado sábado à Rádio Macau na entrevista sobre a notícia divulgada pelo Wall Street Journal. Quanto a este trabalho da Universidade da Califórnia, foi feito em parceria com a organização não-governamental Propublica e a produtora Frontline.