Em destaque

26 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.0301 patacas e 1.1139 dólares norte-americanos.

Pereira Coutinho quer liberalização do sector da aviação
Segunda, 16/07/2012

O deputado Pereira Coutinho entende que o Governo deve acabar com o monopólio da Air Macau. A companhia, diz o deputado, tem vindo a perder qualidade e no “capítulo dos recursos humanos é uma autêntica desgraça, e não há quem ponha cobro aos abusos, por inexistência de uma política de aproveitamento de recursos locais”.

 

Pereira Coutinho afirma que não se “percebe é o facto de perante o historial da Air Macau, que pouco ou nada tem feito para melhorar a sua forma de funcionamento, o Governo continua a não demonstrar vontade política com vista a reverter uma situação que vem denegrindo e prejudicando progressivamente a imagem de Macau e do próprio Governo”.

 

“À semelhança do que fez em relação aos outros sectores chaves da economia do território, é premente e de vital importância que o governo através de mecanismos próprios faça algo introduzindo competitividade no sector da aviação, revendo urgentemente o seu contrato de concessão com a Air Macau, ou pondo termo a ele de forma unilateral, justificando a suposta decisão com o incumprimento pela Air Macau das diversas cláusulas contratuais que unem as duas partes”, afirma Pereira Coutinho.

 

O deputado diz que “é dever do Governo dar caminho à liberalização do sector da aviação”, de forma a também diversificar o mercado de turistas, que dado ao monopólio da Air Macau os “visitantes continuam na sua maioria a ser do interior da China”.

 

Esta situação acaba também, entende Pereira Coutinho, a influenciar o funcionamento do aeroporto local. “Temos um aeroporto dito internacional, mas que de facto não deixa de ser um aeroporto regional, se tomarmos em conta as rotas e respectivas distâncias do espaço de exploração da Air Macau”, diz.