Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Lau Si Io: actuação governamental tem de ser melhorada
Sexta, 13/07/2012

O secretário para os Transportes e Obras Públicas, Lau Si Io, reconhece que a actuação governamental sobre a questão dos autocarros tem de ser melhorada. Lau Si Io prometeu que vai ser “melhorado o sistema de divulgação de informações”. O secretário falava aos jornalistas no final da reunião da Comissão de Acompanhamento da Assembleia Legislativa para os Assuntos de Terras e Concessões Públicas.  

 

No encontro foi feita uma apresentação sobre o aumento das tarifas de autocarros por parte de representantes do Executivo. Lau Si Io destacou que vai ser criado um mecanismo de avaliação da qualidade do serviço de autocarros, e admitiu que é preciso um melhoramento das cláusulas do contrato.

 

O secretário justificou o facto de ter sido uma reunião à porta fechada com o regulamento da Assembleia Legislativa. Lau Si Io sublinhou, no entanto, que a Administração está a aberta a sugestões e que foi o próprio que tomou a iniciativa de marcar este encontro com os deputados.

 

A presidente da Comissão, Kwan Tsui Hang, aos jornalistas, referiu que onze deputados manifestaram dúvidas quanto ao aumento das tarifas e pediram uma maior interacção entre o Governo e a Assembleia. A também deputada lembrou de resto a necessidade de reforçar a competência fiscalizadora do hemiciclo.

 

De acordo com Kwan Tsui Hang a Administração justificou-se, esta tarde, com a inexperiência para chegar à fórmula de aumento das tarifas de autocarros e adiantam que os representantes do Governo admitiram várias lacunas e agora não podem mudar o contrato.

 

Os membros da comissão pediram que o Governo aprenda a lição, para no futuro rever e aperfeiçoar os cálculos das tarifas.

 

Ng Kuok Cheong foi o primeiro a sair da reunião desta tarde mostrando-se insatisfeito por a reunião ser à porta fechada e por só lhe terem sido dados cinco minutos para falar. O deputado da Associação Novo Macau queixou-se da falta de um mecanismo permanente para estreitar o diálogo entre a Assembleia e o Governo. “O que está a acontecer agora perturba a estabilidade de Macau. Acontece sempre, porque o Governo e a AL não dispõem de um mecanismo de cooperação legal para analisar os problemas importantes relacionados com os serviços públicos, tarifas e contratos”.