Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Aumentos FP: Pereira Coutinho escreve a Chui Sai On
Sexta, 13/07/2012

Pereira Coutinho vai pedir ao Chefe do Executivo uma actualização dos salários dos funcionários públicos no próximo ano. O presidente da ATFPM diz-se preocupado com o facto de não se avançar nos trabalhos da Comissão de Avaliação das Remunerações dos Trabalhadores da Função Pública. Por isso, hoje segue uma carta para Chui Sai On.

 

"Estou preocupado com a actualização do próximo ano. Vou já fazer uma carta ao Chefe do Executivo pedindo a actualização salarial para o próximo ano, de acordo com a inflação estimada para 2013, tendo em conta que nos primeiros seis meses já estamos em seis por cento de inflação”, afirmou. “Esperamos que nas Linhas de Acção Governativa (LAG) esteja contemplado o orçamento necessário para a actualização dos salários dos funcionários públicos”, sublinhou ontem à noite, no final de um encontro da comissão.

 

O objectivo desta comissão é criar um sistema permanente de actualização dos vencimentos dos funcionários. Mas Pereira Coutinho tem muitas reservas, lembra que já não falta muito tempo para ser feito o esboço das Linhas de Acção Governativa e diz os preparativos estão atrasados. Para já foram apenas trocadas ideias, “sem nada de concreto”, salienta.

 

De acordo com o deputado, os membros da comissão, em especial o Governo, insistem em comparar a situação dos funcionários de Macau com a dos outros trabalhadores, bem como com o que se passa em Hong Kong.

 

“O Governo está preocupado com o facto de qualquer actualização ter de levar em consideração o impacto na sociedade. Será que a sociedade vai gostar da actualização salarial?”, referiu. “Mas eu disse também que nós também estamos preocupados com os subsídios que a Fundação Macau está a dar, a torto e a direito, para as associações. Isto também nos preocupa como funcionários porque são dezenas de milhões que saem sem qualquer justificação, sem qualquer base científica. Essas concessões têm de ser justificadas”, argumentou Pereira Coutinho.