Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Florinda Chan: Residentes satisfeitos com centro de serviços
Quarta, 04/07/2012

A forma como a Administração de Macau funciona foi hoje alvo de críticas de vários deputados, no tema que abriu o plenário destinado a interpelações orais ao Governo. Ung Choi Kun levou o assunto ao debate, tendo sido coadjuvado por vários tribunos, que lamentam que Florinda Chan ainda não tenha dado um novo ritmo à reforma administrativa.

 

Lembrando que se trata de uma tarefa em continuidade, a secretária para a Administração e Justiça não deu razão aos deputados. Citou vários estudos feitos pelo Governo, que servem de orientação aos serviços públicos. Um destes inquéritos, realizado já este ano, é para Florinda Chan a confirmação de que “muito foi já feito desde o estabelecimento da RAEM”.

 

A governante revelou que foi feito no primeiro trimestre deste ano um inquérito sobre o grau de satisfação em relação ao centro de serviços da RAEM. “Mais de 97 por cento dos utentes disseram que estão satisfeitos ou muito satisfeitos”, apontou.

 

O argumento não bastou para convencer os vários deputados que entendem que a Administração, apesar de ter hoje mais meios, não melhorou o desempenho. Entre as críticas que se ouviram durante a tarde, destaque para os reparos sobre a sobreposição de funções, o excesso de comissões, as unidades em demasia nos serviços públicos e os poucos resultados do mecanismo de recrutamento central.

 

Em relação a este último aspecto, Florinda Chan prometeu que o mecanismo vai passar a ser mais célere. Mas insistiu que as críticas feitas “não podem ignorar os contributos alcançados”. A secretária apelou ainda à calma – é preciso avaliar os resultados antes de avançar com novas medidas, defendeu.

 

No debate desta tarde, esteve também em discussão o regime de credenciação dos assistentes sociais. Ng Kuok Cheong está preocupado com a carreira destes profissionais e com o modo como tem estado a decorrer a auscultação pública. O Instituto de Acção Social foi à Assembleia garantir que ainda não há uma posição definitiva e que está aberto às sugestões do sector.