Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

WSJ: Pereira Coutinho quer mais explicações de Chui Sai On
Terça, 26/06/2012

O deputado Pereira Coutinho não ficou satisfeito nem com as explicações de Leonel Alves, nem com a declaração do Chefe do Executivo acerca da notícia do Wall Street Journal.

 

O jornal norte-americano diz que Leonel Alves, enquanto advogado da Venetian, foi intermediário de uma proposta alegadamente ilícita, que iria permitir à operadora de jogo resolver a questão dos apartamentos no Four Season. Hoje, numa interpelação escrita, Pereira Coutinho volta à carga – quer que o Chefe do Executivo explique por que não está preocupado com o assunto.

 

O Chefe do Executivo disse que aceita as explicações de Leonel Alves e que as compreende totalmente. Pereira Coutinho quer saber, antes de mais, que explicações deu Leonel Alves, membro do Conselho do Executivo, a Chui Sai On.

 

Na interpelação, Pereira Coutinho pergunta se a declaração pública do líder do Governo foi feita apenas com base na versão que lhe foi contada por Leonel Alves ou se tem na origem uma “investigação ponderada” dos factos alegados pelo jornal norte-americano.

 

O deputado pretende saber que diligências foram feitas pelo Executivo para apurar a verdade e pergunta a Chui Sai On se não considera que a questão merece ser investigada pelo Comissariado contra a Corrupção ou pelo Ministério Público. É que, avisa, se no futuro um cidadão for acusado publicamente de factos que podem ser crime, esse cidadão poderá achar que, se se explicar ao Chefe do Executivo, fica “imune” a uma investigação de natureza criminal.

 

Na missiva, Pereira Coutinho deixa também um recado a Leonel Alves: o advogado e deputado “não deve indignar-se contra os colegas da Assembleia Legislativa”. Se as acusações são absurdas e infundadas, então – sugere Coutinho – deve ser o próprio Leonel Alves a querer ver o assunto investigado pelo Comissariado contra a Corrupção.

 

Recorde-se que, depois de Pereira Coutinho ter chamado o assunto à colação num plenário na semana passada, Leonel Alves pediu a palavra para se defender. Reiterou que a correspondência citada pelo Wall Street Journal está descontextualizada e que as acusações não têm qualquer fundamento.