Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 26/06/2012

A violência no New Century e a polémica entre a Sands e Pequim são alguns dos temas em destaque na imprensa local de hoje. Em Hong Kong, a controvérsia é outra e envolve o Chefe do Executivo eleito.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

“Conhecido juncket atacado”, escreve o jornal Va Kio, na primeira página de hoje. É uma referência à violência numa sala VIP de um restaurante do New Century, que resultou em ferimentos graves no juncket e na mulher.

 

O Va Kio conta também que, em Setembro, vai ser construída uma ponte pedonal frente ao Pavilhão Recreativo dos Operários e que a população espera que o Governo garanta os preparativos adequados para aliviar o trânsito na zona.

 

Ainda na capa do Va Kio, destaque para a cerimónia de abertura do chamado Carnaval de Funny Island, agendada para sexta-feira. O evento, promovido pela Federação Industrial e Comercial das Ilhas de Macau, vai decorrer durante três meses na praça junto ao restaurante Pinóquio, na Taipa.

 

O Plano Específico de Construção Conjunta de Círculo de Qualidade de Vida entre Guangdong, Hong Kong e Macau é um dos temas da edição de hoje do Ou Mun.

 

Outro destaque do jornal vai para a legislação sobre o erro médico em Macau que, segundo o diário, continua sem prazo. O Ou Mun chama ainda a atenção para um alerta do deputado Lee Cheong Cheng, que avisa que a futura lei do erro médico pode ser uma espada de dois gumes: a população recebe mais garantias de qualidade nos serviços prestados, mas pode ter de enfrentar o aumento dos custos clínicos.

 

O Ou Mun menciona ainda as declarações de Io Hong Meng, deputado de  Macau à Assembleia Popular Nacional, dizendo acreditar que as duas propostas de lei sobre a reforma política da RAEM devem ser aprovadas com maioria de votos.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi também alude à reforma política, dizendo que a Assembleia Popular Nacional se prepara para debater as propostas da RAEM sobre as metodologias de eleição dos deputados e do Chefe do Executivo.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Renda apoiada”, escreve o Ponto Final em manchete, chamando a atenção para uma entrevista a Larry So, em que o académico defende a criação de um subsídio ao arrendamento. A sugestão do docente do Instituto Politécnico de Macau surge depois de o Governo ter prometido estudar novas medidas para minimizar os efeitos da inflação.

 

“O negócio não foi feito” são palavras de Leonel Alves. O deputado apresenta a sua versão sobre os e-mails trocados com Steve Jacobs, esclarecendo que “houve um empresário – e não um político de Pequim – que lhe apareceu no escritório a pedir uma comissão para conseguir um acordo extrajudicial num processo ‘muito antigo’ que envolvia a Sands”. Mas, garante, “o valor da comissão não foi aceite” e o negócio não avançou. O também membro do Conselho Executivo acrescenta que “é algo normalíssimo entre empresários e normalmente intermediado por advogados”.

 

A polémica que começou por vir a lume com uma notícia do The Wall Street Journal marca também a primeira página do Hoje Macau, que ouviu o deputado Pereira Coutinho sobre o assunto. Com o título “Há na Assembleia Legislativa (AL) quem não tenha a folha limpa”, o diário conta que o deputado se mostra chocado com o “perdão” de Fernando Chui Sai On a Leonel Alves. Coutinho, explica o jornal, queria uma investigação sobre o caso dos e-mails e da alegada corrupção, mas entende que agora “criou-se uma excepção que desculpabiliza irresponsabilidades”.

 

Noutros temas do Hoje Macau, referência ao plenário de sexta-feira, em que a “ida de Lau Si Io à AL para explicar La Scala foi chumbada”. O jornal coloca o foco também sobre o Clube Náutico - “Direcção reeleita durante horas de grande polémica” – e sobre a Anima, que “propõe multa pesada para prevaricadores”.

 

O Jornal Tribuna de Macau conta que a “Casa-museu Macaense está bem encaminhada”. A Santa Casa da Misericórdia já debateu o projecto com o Chefe do Executivo. A ideia, segundo recorda o jornal, passa pela reconstrução de dois edifícios no bairro de São Lázaro, para aí recriar os hábitos e os costumes das famílias macaenses.

 

O JTM faz também as contas ao turismo: “Maio com maior quebra homóloga de visitantes desde Julho de 2009.” Destaque ainda para um acordo entre Portugal e a China, que reforçaram a “cooperação científica tendo em vista o comércio”, e para o São João: “Associações querem fazer crescer dimensão do arraial.”

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Terras concedidas por Ao Man Long por detrás de uma disputa sobre o metro ligeiro”, escreve hoje o Macau Daily Times, que publica uma reportagem sobre a construção do segmento do Nape. Um grupo de moradores, que não quer que o metro passe entre os prédios da zona, acusa o Gabinete de Infra-estruturas de Transportes de ter conduzido consultas públicas “falsas” sobre o traçado do projecto.

 

Na capa do Macau Daily Times, lê-se também que foi lançado o primeiro plano de desenvolvimento trilateral Macau-Hong Kong-Guangdong e há ainda uma chamada de atenção para uma exposição de fotografias criativas de Macau, pela mão da artista francesa Armelle.

 

A violência de ontem no casino New Century dita a manchete do Macau Post Daily: “Junket bem conhecido hospitalizado depois de ter sido atacado por seis homens.” Até ao fecho da edição do jornal, a Polícia Judiciária ainda não tinha feito qualquer detenção.

 

O Macau Post Daily escreve ainda, na primeira página, que “um israelita se suicidou, saltando da Torre Eiffel” e dá conta dos preparativos na zona de aterragem da Mongólia Interior, para o regresso da nave Shenzhou-9.

 

O ambiente faz hoje a manchete do Business Daily, que fala sobre as “mudanças no uso da água”. O diário conta que, desde 2002, o consumo dos recursos hídricos em Macau tem vindo a crescer, tal como noutras zonas da China. O desafio da conservação surgiu depois do fenómeno das marés salgadas e, agora, o Centro de Transferência de Produtividade e Tecnologia de Macau lembra que um enquadramento geral sobre a água pode ajudar a encontrar as melhores formas de poupar.

 

Ainda na capa do Business Daily, destaque para as queixas do deputado Ng Kuok Cheong, que diz que “não há qualquer controlo sobre o financiamento da Ilha da Montanha”, e, ainda, para a exposição China Catering, que decorre em Macau, pela primeira vez, em Setembro.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

A polémica em torno de CY Leung, em vésperas da sua tomada de posse como Chefe do Executivo da RAEHK, volta a dar o mote à manchete do South China Morning Post: “CY contestado devido a ‘falsa’ alegação na fase de campanha.” Os democratas vão entregar uma petição ao Tribunal Superior de Hong Kong, acusando o Chefe do Executivo eleito de, durante a campanha, ter enganado o público sobre a existência de estruturas ilegais na sua casa no The Peak.

 

Destaque também no South China Morning Post de hoje para os últimos desenvolvimentos de um caso de violação de direitos humanos que chocou a China e o mundo: “Marido da mulher forçada a fazer um aborto desapareceu.” O diário explica que Deng Jiyuan e outros membros da família têm sido seguidos e ameaçados por bandidos durante os últimos dias.

 

O China Daily fala hoje numa “lição sobre partilha de experiências”. O jornal dá conta de um curso destinado aos países em vias de desenvolvimento, que “ajuda a abordar questões levantadas por participantes estrangeiros e permite-lhes beneficiar dos conhecimentos alcançados através de diferentes projectos”.

 

“Combate à droga enfrenta mais desafios”, escreve ainda o diário oficial chinês, referindo-se à safra no Myanmar e ao aumento do tráfico no Afeganistão. Ainda sobre os estupefacientes, o jornal ouviu o Ministério de Segurança Pública da China, que garante que há “igualdade perante a lei” nos casos de tráfico de droga.

 

O The Standard destaca as palavras do Chefe do Executivo eleito: “Estou desiludido comigo próprio.” É o terceiro pedido de desculpas de CY Leung pela existência de estruturas ilegais na sua casa do The Peak.