Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (2ª-feira)
Segunda, 25/06/2012

Hoje são poucos os jornais nas bancas, devido à tolerância de ponto dada pelo Chefe do Executivo. Os jornais de língua portuguesa não se publicam esta segunda-feira e, entre os de língua inglesa, apenas o diário financeiro Business Daily está à venda nos quiosques. O Ou Mun e o Va Kio também fogem à regra, tal como a imprensa de Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O jornal Ou Mun dedica a primeira página ao sucesso da primeira acoplagem manual da China, dizendo que os três astronautas chineses “abrem uma nova página na história”. O diário alude também às declarações de alguns peritos que entendem que a manobra representa “um grande avanço nas tecnologias espaciais”.

 

No Va Kio, destaque para o impacto das obras de melhoramento na praia de Hak Sa. Os comerciantes da zona mostram-se satisfeitos e o diário fala mesmo numa subida de cerca de 30 por cento no negócio das lojas, depois da criação das novas instalações.

 

O Va Kio noticia também na primeira página o evento “Dia de Desporto em Família 2012”, que contou com a participação de 1600 pessoas, e a iniciativa do grupo Rede de Convergência de Sabedoria de Macau, que debateu a formação de talentos locais na área da política.

 

O jornal cita ainda uma gerente da área da hotelaria, que participou num programa da TDM, defendendo a aposta na formação contínua para os profissionais do sector.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi destaca esta manhã o “impacto notório” do programa de estágios profissionais no Interior da China, lançado há três anos e que envolveu um investimento de mais de cinco milhões de patacas. O balanço é traçado pelos Serviços para os Assuntos Laborais.

 

A actualidade internacional está também em destaque, com o Canal Chinês da Rádio Macau a noticiar a queda do telhado de um centro comercial no Canadá, um incidente que provocou um morto.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

A protecção dos dados pessoais está hoje em destaque no Business Daily, que publica uma entrevista a um especialista da Universidade de South Whales, na Austrália. O perito, Graham Greenleaf, elogia a legislação do território e a actuação do Gabinete de Protecção de Dados Pessoais, mas deixa um alerta: “O organismo tem de ter independência.”

 

Na capa do jornal financeiro, espaço ainda para a política local: “Fernando Chui Sai On aceita as acções na confusão entre a Sands e Pequim.” É uma alusão às declarações deste fim-de-semana do Chefe do Executivo, que disse ter aceite as explicações do deputado Leonel Alves sobre o que The Wall Street Journal chamou de uma alegada tentativa de corrupção.

 

O Business Daily lembra ainda que a Assembleia Legislativa “rejeita qualquer tentativa para uma audição sobre o caso La Scala” – em causa o plenário de sexta-feira, em que o hemiciclo chumbou o pedido apresentado pelos deputados da Associação Novo Macau.

 

O diário faz ainda as contas à subida dos preços e conclui que “a inflação ultrapassa o índice de subsistência”. As contas surgem depois de o Chefe do Executivo ter anunciado que vai elevar em cinco por cento o valor do risco social.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

A visita do presidente chinês a Hong Kong, durante as celebrações dos 15 anos da transferência de soberania, merece hoje destaque na capa do South China Morning Post, que antevê um fim-de-semana difícil: “Hi Jintao vai enfrentar fúria crescente na visita” ao território.

 

Segundo o jornal, vários grupos de activistas prevêem que a presença do presidente vá inflamar a indignação da opinião pública – sobre questões internas de Hong Kong, mas também sobre alguns casos chocantes no Interior da China, como o da morte do dissidente Li Wangyang. Acreditam ainda que vai ser um “momento estranho” para o Chefe do Executivo eleito.

 

Outro tema em grande destaque esta segunda-feira no South China Morning Post é o da primeira acoplagem manual da China no espaço. O sucesso que a Shenzhou alcançou na manobra de ontem representa, segundo o diário, um passo importante para a construção de uma estação espacial chinesa.

 

Esta aventura espacial faz, aliás, o principal tema de capa do China Daily, a par com uma outra aventura: a do submarino tripulado de águas profundas que ontem bateu um recorde do país e superou a barreira dos sete mil metros de profundidade. O jornal escreve, por isso, “Dia de orgulho da órbita ao oceano” – é “o triunfo da tecnologia depois da acoplagem manual e do mergulho no mar”.

 

Noutro tema, o jornal dá conta de um dilema sobre a reforma: os trabalhadores temem ser obrigados a aposentar-se quando ainda têm energia para continuar no activo.

 

No The Standard, pode ler-se o apelo do Hong Kong Shanghai Banking Corporation (HSBC): “Não ocupem mais.” Segundo o diário, o banco parte para uma acção judicial contra os manifestantes da zona de Central, um movimento anti-capitalista conhecido como “Ocupar Central”, que desde Outubro tomou conta do espaço térreo da sede do HSBC.