Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 21/06/2012

A transição da tecnologia 2G para a 3G está hoje em destaque na imprensa de Macau. Mas há muito mais para ler esta quinta-feira. Espreite aqui os principais títulos.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O Va Kio noticia esta quinta-feira o atropelamento fatal de um idoso. O acidente terá sido provocado por um condutor de Hong Kong, suspeito de guiar em estado de embriaguez.

 

O Va Kio destaca também a polémica sobre a transição do 2G para o 3G e dá conta da decisão dos Serviços de Regulação das Telecomunicações (DSRT) em adiar essa migração para o final do ano, cedendo assim, segundo o jornal, “à ansiedade da opinião pública” e às opiniões manifestadas pelo Comissariado Contra a Corrupção (CCAC), que fala em violação do princípio de igualdade.

 

O prolongamento do serviço 2G até ao final do ano é uma decisão que agrada ao secretário-geral da Caritas de Macau, Paul Pun, e ao professor do curso de acção social do Instituto Politécnico de Macau, Leung Kai In, que, no entanto, esperam que as autoridades justifiquem claramente a opção de pôr fim ao uso desta tecnologia.

 

Segundo o Va Kio, foram detidos vários suspeitos de envolvimento no caso do homicídio do edifício Fok Hoi. Um dos detidos é suspeito de ter contratado vários assassinos no início do ano e, também, em Abril.

 

Alguns destes temas merecem também destaque na edição de hoje do Ou Mun. O jornal também dá conta do acidente fatal de viação que ocorrem ontem, em Macau, e acrescenta que “a comunidade espera condenações mais pesadas para quem conduza sob o efeito do álcool”.

 

O diário escreve ainda sobre a detenção de vários indivíduos, suspeitos de envolvimento no homicídio de um dono de uma oficina, e destaca também um outro caso de polícia: os agiotas têm “novos métodos” de actuação, que passam também pela venda de órgãos em troca de empréstimos.

 

O Ou Mun revela ainda a detenção de duas pessoas, por suspeita de consumo de droga, e a morte de um homem com perturbações mentais que terá saltado de um edifício.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi destaca esta manhã a inflação, que “continua em alta”. O índice de preços no consumidor subiu 6,76 por cento em Maio. A inflação está agora nos 6,4 por cento.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“2G prolongado até final do ano”, escreve o Jornal Tribuna de Macau em manchete, acrescentando que o relatório do CCAC é “decisivo”. O diário conta que o Governo decidiu adoptar novas medidas para a migração das redes móveis, que vai ocorrer apenas no final do ano. Já os autores do relatório do CCAC, sugerem o adiamento da eliminação da rede 2G por um ou dois anos e concluem que a decisão administrativa viola os princípios de igualdade, proporcionalidade e boa fé.

 

Na primeira página desta quinta-feira, o JTM escreve também que a “Paróquia recusa adro para Arraial de São João”. Noutros títulos, “sequestradores pediram órgão a mulher para saldar dívida de jogo” e “David Chow quer inovar no sector MICE [convenções e exposições] com nova associação”.

 

O Ponto Final destaca hoje um “exemplo ambiental” na manchete: Joe Chan, ambientalista, considera que Macau, por ser uma cidade pequena, pode dar cartas na chamada economia verde, servindo de exemplo à China e a outras potências emergentes. Joe Chan mostra-se também decepcionado com a conferência Rio+20 e avisa que o mundo tem apenas “dez anos” para inverter a destruição ambiental. No entanto, acrescenta o jornal, o ambientalista entende que ninguém parece disposto a fazer sacrifícios.

 

A fotografia da primeira página do Ponto Final é composta por uma série de telemóveis, com o título: “Conflito de gerações.” O CCAC avisa que os Serviços de Regulação das Telecomunicações não podem obrigar os consumidores a subscreverem já os serviços de telemóvel de terceira geração, conhecidos por 3G. Tal com o Jornal Tribuna de Macau, o Ponto Final explica que o organismo entende que a medida viola pelo menos três princípios: proporcionalidade, igualdade e boa-fé.

 

Ainda no Ponto Final, destaque para a confiança da China em Portugal, numa referência às declarações do embaixador chinês em Lisboa.

 

A capa do Hoje Macau é hoje dedicada sobretudo ao futebol: “É hora de abrir as asas”, no Portugal-República Checa, agendado para a madrugada de hoje para amanhã, às 2h45, hora de Macau. Com Cristiano Ronaldo na fotografia, o jornal fala num “capitão genial em subida de forma”, numa “equipa unida e moralizada” e num “treinador que fala grosso”. O diário escreve ainda que, “com o fadinho do pessimismo para trás das costas, está na altura de tocar bem alto a música dos vencedores” e “dar baile aos checos”.

 

Na actualidade local, o Hoje Macau chama também a atenção para a mudança da tecnologia 2G para a 3G: “Queixas no CCAC levam Governo a adiar alteração.” Destaque ainda para o arraial de São João - “Saída forçada do adro da igreja não mata a festa” – e para as críticas do deputado Chan Chak Mo, que diz que “não existe promoção suficiente” do turismo.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Dirigente dos Serviços de Educação e Juventude diz que as crianças têm um QI baixo.” É a manchete do Macau Daily Times, que remete para declarações de Leong Vai Kei, chefe do departamento de Educação destes serviços.

 

O Macau Daily Times traça ainda um balanço sobre o Campeonato Europeu, tentando responder à questão: “O que é que aprendemos até agora no Euro 2012?”

 

Noutros destaques, “festival tradicional está de volta ao bairro de São Lázaro” e “Serviços de Regulação das Telecomunicações alargam o prazo para a transição do 2G para o 3G”.

 

Os telemóveis são o principal tema de capa do Macau Post Daily, que revela que o CCAC entende que o Governo está a violar os direitos dos consumidores ao acabar com os serviços da rede 2G.

 

Ainda na actualidade local, o diário noticia um acidente de viação que ontem resultou na morte de um homem de 75 anos, atropelado por um condutor embriagado.

 

Destaque também para o Japão, na capa do Macau Post Daily, com a empresa responsável pela gestão de Fukushima a dizer que abandonar a central nuclear “nunca foi uma opção”.

 

O Business Daily dá conta dos custos “sufocantes” com a mão-de-obra, nos investimentos transfronteiriços. O diário financeiro explica que quase um terço das empresas europeias com operações no Delta do Rio das Pérolas está a ponderar sair por completo da China. Uma tendência que, a confirmar-se, pode ter impacto sobre os quase 13 mil negócios financiados por Macau e registados na China desde 1990.

 

O jornal destaca também na primeira página as conclusões do último relatório dos Estados Unidos sobre o tráfico humano: Washington alerta para a vulnerabilidade dos trabalhadores não residentes em Macau.

 

O Business Daily não foge à regra e fala também de telemóveis nesta primeira página de quinta-feira: “Mudança da 2G adiada devido a falhas nos serviços.”

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

A manchete do South China Morning Post é hoje dedicada ao mundo financeiro: “Hontex tem de devolver mil milhões de dólares de Hong Kong aos investidores.” É uma decisão do Tribunal Superior da região vizinha sobre o caso da empresa que colocou informação enganadora nos folhetos relativos à listagem na bolsa de Hong Kong, em 2009.

 

O South China Morning Post dá também destaque aos avisos dos empreiteiros a CY Leung: “Não inundem o mercado.” É a resposta à intenção manifestada pelo Chefe do Executivo eleito de alargar o número de casas sociais e restringir as vendas. Os representantes do sector imobiliário dizem ainda que o modelo de Singapura não é adequado a Hong Kong.

 

No China Daily, “Hu aponta visão para os laços com os Estados Unidos”. Segundo o jornal, o presidente chinês dá indicações sobre um possível “modelo de relações entre as duas maiores potências mundiais”.

 

O ambiente está também em destaque no jornal oficial chinês: “Prioridade verde para Terras raras.” Pequim negou ontem que tenha procurado benefícios políticos ou aumentado a taxa de retorno através da manipulação dos preços deste tipo de metais, usados sobretudo para o fabrico de produtos de alta tecnologia.

 

Espaço ainda no China Daily para o balanço do princípio “um país, dois sistemas”. Para Peng Qinghua, director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Hong Kong, a aplicação do princípio na região, há quase 15 anos, tem sido “um sucesso”.

 

No The Standard, é a “dança do twist” que dá o mote ao principal destaque desta edição de quinta-feira: “Acções, ouro e petróleo caem, Reserva Federal americana desilude.”

 

O jornal alude também às declarações do homem que pode vir a ser o próximo dirigente da pasta da Habitação no território. Anthony Cheung diz que os preços das casas nos centros urbanos são tão altos que ele próprio não consegue comprar uma.