Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 20/06/2012

As recomendações da Associação de Turismo da Ásia Pacífico (PATA) e a provável manutenção do Terminal Marítimo do Porto Exterior são alguns dos temas em destaque na imprensa local desta quarta-feira.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O Va Kio faz as contas às sugestões recolhidas durante a mais recente fase da consulta pública sobre o Plano Director das Novas Zonas Urbanas: foram recebidas mais de 800 opiniões. O jornal refere também que o Grupo de Trabalho do Planeamento Urbanístico dos Novos Aterros sugere que se dê prioridade à construção dos edifícios governamentais relacionadas com a área do direito, na zona B dos Novos Aterros, isto é, na zona a leste da Ponte Nobre de Carvalho.

 

O diário fala ainda de outra consulta pública: esta sexta-feira começa a última ronda da auscultação sobre as estratégias para o desenvolvimento do sector da habitação pública.

 

O Va Kio destaca ainda o encontro entre o Chefe do Executivo e o Embaixador de Federação Russa na China, para troca de impressões sobre a promoção do turismo, do comércio bilateral, do intercâmbio cultural e da cooperação na área da educação.

 

Já o Ou Mun destaca na edição de hoje o futuro do Terminal Marítimo do Porto Exterior: a estrutura deverá continuar onde está e esta é uma hipótese que agrada à deputada Kwan Tsui Hang e ao antigo membro do hemiciclo David Chow.

 

Quanto ao Plano Director das Novas Zonas Urbanas, o jornal escreve que o mesmo deve estar definido no próximo ano.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi noticiou esta manhã um acidente fatal na Taipa: um idoso foi atropelado numa passadeira e suspeita-se que o condutor do carro estava sob a influência de álcool.

 

O Canal Chinês da Rádio Macau actualiza também as previsões climatéricas: esperam-se aguaceiros durante o dia de hoje e amanhã. Recordo que o sinal 1 de tufão foi cancelado às quatro da manhã.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

Ironia na manchete do Hoje Macau: “Comprar casa é uma alegria.” O diário cita números do Conselho dos Consumidores sobre a aquisição de apartamentos ainda em construção e explica que a compra de uma habitação resultou em apenas oito queixas, no espaço de ano e meio. O deputado Pereira Coutinho considera o número “desfasado da realidade” e entende também que o Conselho de Consumidores “precisa de total reestruturação”. O jornal deixa uma questão: “Cidadãos satisfeitos ou subsiste a mentalidade ‘come e cala’?”

 

O Hoje Macau conta ainda que há deputados que pressionam o secretário dos Transportes e Obras Públicas, Lau Si Io, no sentido de se criar “um grupo só para avaliar as decisões sobre o La Scala”. Destaque também para as recomendações da Associação do Turismo da Ásia Pacífico (PATA): “Macau precisa de órgão autónomo a gerir turismo.”

 

Este mesmo tema dita a manchete do Jornal Tribunal de Macau: “Promover património e ‘abrir os céus’.” Os peritos da PATA defenderam a necessidade de abrir com “urgência” os céus de Macau a outras companhias e destinos e potenciar as características culturais e singulares da cidade através do seu Centro Histórico. Isto, alertam os especialistas, sob pena de poder perder terreno face a outros destinos regionais.

 

Na imagem de capa do JTM vemos um dos possíveis cenários do Plano dos Novos Aterros. A consulta pública recolheu mais de 800 sugestões e o Terminal do Porto Exterior foi “salvo pela opinião pública”. O jornal explica que “o Governo cede”, mas “não tem espaço para crescer naquela zona”. Destaque também para o projecto de engenharia para os edifícios públicos e os tribunais, que “avança no próximo ano”.

 

O Ponto Final fala numa “incineração a meio gás”. Segundo o jornal, o Governo prometeu em 2010 actualizar os equipamentos da central de queima de resíduos sólidos de Macau, mas até aqui nada aconteceu. Os Serviços de Protecção Ambiental explicam que estão ainda a preparar um concurso internacional. Enquanto isso não acontece, conta o diário, a estrutura de Pac On mantém-se a funcionar com apenas metade da sua capacidade.

 

Também no Ponto Final a questão da futura localização do Terminal Marítimo do Porto Exterior tem honras de primeira página. O jornal escreve que “daqui ninguém o tira”, já que a recomendação das Obras Públicas aponta para que a estrutura fique onde está, depois de ouvida a população sobre o plano director para os novos aterros. Ainda segundo o diário, o Governo acredita que o número de visitantes que chega de barco vai diminuir e, por isso, não vê necessidade de uma infra-estrutura maior do que a existente na península.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

Também na imprensa de Macau em língua inglesa é a PATA (Associação de Turismo da Ásia Pacífico) que domina a maioria das capas.

O Macau Daily Times dá conta de um relatório que defende a criação de “um plano director para tornar Macau acessível ao mundo”.

Noutro destaque da primeira página, pode ler-se que o “Terminal Marítimo do Porto Exterior vai manter a localização e o tamanho actuais”. Isto depois de uma consulta pública ter revelado que “a maioria dos participantes querem manter o terminal onde está”. O jornal sublinha, no entanto, que o cais não vai ser alargado para aumentar a capacidade, devido a limitações de espaço.

No Business Daily, foco para o aviso do patrão da PATA sobre o sector da aviação: “Macau deve tornar-se num centro de viagens para companhias aéreas de baixo custo.” Se isto não acontecer, alerta a associação, será difícil fazer da RAEM um centro mundial de turismo e lazer, uma vez que se prevê “uma explosão das operações das companhias low cost” na região da Ásia Pacífico nos próximos dois a cinco anos.

Ainda no sector da aviação, o diário financeiro escreve que o “Aeroporto pagou um empréstimo antigo, mas continua com prejuízos”.

O Macau Post Daily é hoje a excepção à regra que não destaca na primeira página os avisos da PATA. Para manchete, o jornal escolhe um caso de polícia: “Três pessoas oriundas do Interior da China usaram fruta e vegetais para encobrir um assalto.”

Noutro destaque de capa, a imagem de uma nota do Zimbabwe que alguém usou fingindo tratar-se de uma nota de 1000 dólares de Hong Kong, devido às semelhanças entre as duas. A nota foi usada numa loja de um centro comercial de um casino do Cotai.

O Macau Post Daily chama ainda a atenção para a petição entregue ontem ao Gabinete de Protecção de Dados Pessoais por dois moradores, acompanhados pela Associação Novo Macau: “Residentes queixam-se ao Governo do spam de mensagens de texto para os telemóveis.”

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

No South China Morning Post destaque hoje para a política local e a economia mundial. Num dos principais títulos, o jornal informa que uma sondagem – encomendada pelo diário - mostra que a oposição ao plano de reestruturação do Governo, proposto pelo Chefe do Executivo eleito, está a crescer. No entanto, adianta o diário, a maioria continua a não concordar com o plano dos deputados de bloquear essa reestruturação defendida por CY Leung.

 

Na área da economia, o South China Morning Post escreve que “a China vai contribuir com 43 mil milhões de dólares americanos para o fundo de resgate do Fundo Monetário Internacional (FMI)”. Com esta contribuição a somar-se às de outros Estados-membros, o FMI espera agora alcançar um fundo de resgate no valor de 456 mil milhões, para, quando necessário, ajudar países a enfrentarem períodos de crise.

 

O papel de Pequim na arena internacional merece também manchete no China Daily: “China ‘tem um papel construtivo’ no G20.” O presidente chinês, Hu Jintao, apela aos líderes mundiais, presentes na cimeira, para que continuem a apoiar a Europa.

 

Noutros destaques do China Daily de hoje: “Consumo vai ser estimulado” e “Estados Unidos pedem desculpa por uma lei de há 130 anos que discrimina chineses”.

 

O The Standard fala no “mistério da morte do magnata”, numa referência a Chen Din-hwa, que faleceu num hospital de Hong Kong no domingo, aos 89 anos. O diário conta que os Serviços de Acção Social chamaram a polícia depois da morte do bilionário, que sofria de demência.