Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 19/06/2012

A polémica do La Scala volta a marcar presença nas primeiras páginas dos jornais de Macau. Confira aqui os principais títulos desta terça-feira.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O caso La Scala marca a edição desta terça-feira do Ou Mun. O diário alude às declarações de ontem do Chefe do Executivo, que confirmou que o Governo já iniciou os procedimentos para invalidar a concessão dos cinco terrenos junto ao aeroporto, alegadamente envolvidos em corrupção. Sobre o mesmo tema, o diário ouviu juristas que acreditam que o Governo tem capacidade para avançar com o caso e também deputados que concordam com o reaver das terras, de acordo com a lei.

 

Ainda segundo o Ou Mun, os proprietários dos apartamentos pedem que sejam garantidos os seus bens e interesses. O diário escreve também que, neste momento, os compradores acreditam que podem vir a receber de volta o depósito que pagaram e que o Governo lhes vai devolver o imposto do selo.

 

O La Scala marca também a capa do Va Kio, com a referência ao início dos procedimentos para reaver os terrenos.

 

Noutro tema, o jornal escreve que, à margem da cerimónia de graduação da Universidade de Macau – que contou com mil estudantes – o Chefe do Executivo prometeu criar medidas que apoiem os residentes de Macau que frequentam cursos superiores.

 

Segundo o Va Kio, Fernando Chui Sai On pronunciou-se também sobre a questão das 12 vivendas de dois andares, localizadas entre a Avenida do Coronel Mesquita e a Estrada de Coelho do Amaral. O Chefe do Executivo prometeu estudar a melhor forma de preservar e dinamizar a zona.

 

O Va Kio conta ainda que a bandeirada dos táxis sobe para 15 patacas no próximo mês e que ontem decorreu uma reunião para preparar um simulacro de um acidente nuclear de grande dimensão no território.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

 

Dois temas da actualidade local estão a marcar a manhã informativa de hoje na Ou Mun Tin Toi. A actualização sobre a tempestade tropical – com o Canal Chinês da Rádio Macau a dizer que o sinal 1 de tufão deve continuar içado até à noite – e a habitação pública, com o deputado Chan Meng Kam a interpelar o Governo sobre as estratégias para o sector.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Ponto Final fala hoje numa “escalada jurídica”. O diário explica que a decisão de declarar a nulidade da concessão dos terrenos do La Scala, ontem confirmada pelo Chefe do Executivo, lança dúvidas sobre eventuais direitos de promotores e compradores.

 

Em destaque também uma imagem da cerimónia de graduação da Universidade de Macau. O jornal aproveita a ocasião para aludir ao novo Regime do Ensino Superior, prometido pelo Executivo para este ano, e que vai dar liberdade para aumentos salariais aos professores, acima dos índices da Função Pública. Para o vice-reitor da Universidade de Macau, Rui Martins, esta é “uma boa medida”, já que o tecto actual dificulta a contratação de docentes de topo, atraídos por ofertas superiores, por exemplo, em Hong Kong e Singapura.

 

O La Scala também é mencionado na manchete do Hoje Macau, mas apenas para servir de termo de comparação com um outro caso que está a gerar polémica no território. Trata-se do projecto residencial do Clube Náutico, que Jorge Fão diz ser “pior que o La Scala”. O diário explica que o Governo cedeu terrenos ao Clube Náutico sob condição de não serem usados para construção residencial, mas já existe uma brochura para venda de 334 apartamentos de luxo no local, que, segundo Jorge Fão, está a ser usada para aliciar investidores.

 

Ainda na capa do Hoje Macau, referência ao novo espectáculo no Cubic – “Taboo descrito como ‘ousado, sofisticado e sexy’” – e ao plenário da Assembleia Legislativa onde vão ser votados na especialidade os subsídios das Forças de Segurança, que podem vir a ser recebidos “já no próximo mês”.

 

O Jornal Tribuna de Macau dá hoje conta de “um novo fôlego em defesa da Fábrica de Panchões”. O diário alude ao desafio lançado pelo deputado Mak Soi Kun e às declarações do arquitecto Vizeu Pinheiro sobre a necessidadede de apostar na preservação dos edifícios.

 

Na primeira página do JTM de hoje podemos ler também as afirmações do director executivo da SJM, Ambrose So, em Pequim: “Queremos que Macau continue a ser Macau.”

 

O jornal faz referência também às afirmações de ontem do Chefe do Executivo - “Chui confirma nulidade dos lotes do La Scala” – e às críticas da deputada Kwan Tsui Hang em relação aos atrasos em várias obras em vias públicas.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Ainda não acabou até a agente imobiliária o dizer.” O aviso lê-se na primeira página do Business Daily e refere-se às vendas dos apartamentos do La Scala. Segundo o jornal, a linha de apoio ao cliente do empreendimento de luxo confirmou ontem que as vendas estão suspensas, mas duas agências imobiliárias de renome na RAEM garantem que não receberam quaisquer instruções nesse sentido.

 

O diário financeiro da RAEM avança ainda algumas previsões sobre os preços das casas em Macau. Segundo o Business Daily, mesmo com as correcções no mercado de Hong Kong, os preços dos apartamentos em Macau devem continuar altos nos próximos 12 meses, de acordo com as previsões das imobiliárias. O jornal cita também uma notícia do Ou Mun, que prevê que as rendas continuem a aumentar, devido à chegada de uma nova vaga de trabalhadores não residentes.

 

“Chui recusa-se a comentar a ameaça da firma imobiliária de Hong Kong sobre um eventual pedido de indemnização”, escreve o Macau Post Daily, numa manchete que volta a focar o caso da Chinese Estate Holdings e dos terrenos onde está a ser construído o empreendimento de luxo La Scala.

 

Ainda na capa do Macau Post Daily, “turista tenta subornar agente da polícia com um anel de ouro falso” e “sem-abrigo italiano continua a monte depois de ter roubado uma caixa de donativos da Caritas Macau”.

 

O Macau Post Daily destaca também a actualidade internacional, com “a gratidão e os risos” presentes no encontro da Nobel da Paz Aung San Suu Kyi com o cantor Bono.

 

O Macau Daily Times analisa esta terça-feira as estatísticas demográficas para perceber por que motivo a população está a envelhecer tão rapidamente. O jornal fez as contas ao número de nascimentos e falou com assistentes sociais e mulheres jovens, que explicaram alguns dos motivos para se optar por não ter filhos.

 

No Macau Daily Times, destaque também para o novo espectáculo de Franco Dragone no City of Dreams. O show chama-se Taboo e estreia dia 28 de Junho.

 

O jornal dá ainda conta da promessa deixada pelo Chefe do Executivo no sentido de reforçar o apoio ao ensino superior e, num outro título, escreve que a ponte entre Macau e Hong Kong é uma ligação que beneficia ambas as partes.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Está instalada a polémica no Governo de Hong Kong. Segundo o South China Morning Post, “um conselheiro da área do património demitiu-se” depois de ter sido acusado de conspirar com o Executivo no caso do plano de demolições em Government Hill. O diário dá conta de uma onda de críticas ao papel do secretário do Desenvolvimento neste caso.

 

A crise da moeda única europeia também tem honras de primeira página no South China Morning Post, com o jornal a escrever que “os líderes mundiais pressionam a Europa sobre plano de resgate”.

 

A economia marca também a capa do China Daily, que revela que “o Fundo Monetário Internacional recebe injecção financeira”. Pequim, diz o jornal, promete juntar-se aos esforços globais que têm como alvo a crise na Zona Euro.

 

Ainda no jornal oficial chinês, a aventura espacial volta a merecer destaque na primeira página: “Uma nova fronteira para a China”, depois do sucesso da acoplagem da Shenzhou-9 no laboratório espacial Tiangong-1.

 

No The Standard, lemos que o “fosso entre ricos e pobres cresce” em Hong Kong. O jornal diz que as diferenças têm crescido desde a transição de soberania, mas o Governo insiste que as disparidades têm-se mantido nos mesmos níveis nos últimos dez anos.