Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Albano Martins: “Macau deve ter cartões de débito”
Sábado, 16/06/2012

O sistema financeiro de Macau é pequeno e pouco moderno, considerou no “Rádio Macau Entrevista” o economista Albano Martins. Como exemplo apontou a falta de cartões de débito na RAEM. “Não temos cartões de débito. O cartão de débito  é fundamental para qualquer operação. Fazemos sempre operações com cartões de crédito. É o mínimo indispensável para dar um pulo no sistema. Temos um sistema financeiro que é exactamente igual ao deixado pela administração portuguesa. Era bom acompanhar o que se passa nas outras praças financeiras”, defendeu na edição semanal do programa de entrevistas da Rádio Macau.

 

Na conversa com Gilberto Lopes, o economista preconizou também mexidas na carga fiscal da RAEM: “Seria um bom exercício o Governo suspender o imposto profissional e o imposto complementar. Suspender e não eliminar esses impostos. Seria um incentivo para profissionais mais qualificados situarem-se cá e um incentivo para as pequenas e médias empresas. Estas medidas seriam mais vantajosas do que a política dos subsídios. De certo modo, seria uma maneira de as empresas se instalarem em Macau, com condições, não queremos empresas de vão de escada ou apenas caixa de correio, mas empresas que criem postos de trabalho e criem a diversificação, pois se um dia acontecer alguma coisa ao sector do jogo a economia de Macau vai desmoronar-se como um baralho de cartas”.

 

Quanto à política de mão-de-obra, Albano Martins critica a actual situação: “Há algum medo do populismo barato de defender os trabalhadores locais, de dizer que os trabalhadores locais estão a ser prejudicados. É uma asneira. Se não houver nova mão-de-obra nos novos investimentos não será criada riqueza e não serão criados postos de trabalho para as futuras gerações. É um erro estar a limitar a mão-de-obra. Deve ser controlada a qualidade da mão-de-obra e deve ficar claro que os trabalhadores devem regressar aos seus países e territórios quando os contratos acabarem. É necessário importar trabalhadores. Grandes projectos de investimento, basta olhar para os casinos, não têm mão-de-obra”, disse.

 

O programa Rádio Macau Entrevista está já disponível na nossa página da Internet e pode ser ouvido também na próxima segunda-feira, às 10h30.