Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

MP: casos de furto e crime organizado sobem no 1º trimestre
Terça, 12/06/2012

O número de processos penais autuados pelo Ministério Público entre Janeiro e Março aumentou 23 por cento para 3.551, em comparação com o primeiro trimestre do ano passado. O órgão judicial chama a atenção para o aumento contínuo do número de furtos, mas destaca também a subida dos casos de crime organizado, a maior de entre os vários tipos de crimes registados.

 

Entre Janeiro e Março, o Ministério Público autuou 18 processos relacionados com o crime organizado, ou seja, mais 200 por cento do que no primeiro trimestre do ano passado. Segundo as estatísticas oficiais, divulgadas esta terça-feira, 12 dos casos são referentes ao crime de lenocínio. Entre Janeiro e Março de 2011 não tinha havido qualquer um.

 

A subir nos primeiros três meses do ano estiveram também os processos-crime ligados à violação das regras de trânsito: 306 casos – mais 55 por cento do que no período homólogo do ano passado. Entre estes crimes, o Ministério Público destaca casos de fuga e de condução em estado de embriaguez.

 

Na nota enviada hoje, o órgão dirigido por Ho Chio Meng chama ainda a atenção para o aumento do número de processos ligados a furtos: foram 1089, isto é, mais quase 30 por cento do que entre Janeiro e Março do ano passado. Já os processos de apropriação de objectos encontrados quase duplicaram. A cair, por outro lado, estiveram os casos de jogo ilícito, assim como os de imigração ilegal.

 

Ainda de acordo com os dados revelados hoje, o Ministério Público autuou três inquéritos relacionados com alegados crimes cometidos por funcionários públicos: crimes de corrupção passiva para a prática de infracções e crimes de peculato.

 

O Ministério Público diz ainda ter recebido três casos do Comissariado Contra a Corrupção. Depois de investigado, um dos casos terá sido anexado a um processo já existente. Há ainda um outro caso, que diz respeito a corrupção no sector privado, e outro ligado ao crime de burla.