Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 12/06/2012

O início do processo de eleição dos deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional é um dos temas em destaque nos jornais em língua chinesa de hoje. Na imprensa portuguesa, a falta de médicos e as declarações de Sales Marques, a propósito do dinheiro que a Fundação da Escola Portuguesa de Macau recebeu da SJM são alguns dos assuntos focados nas capas dos jornais de língua portuguesa.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

Na primeira página do Ou Mun, um apelo da população: “Devolvam-nos o caminho!” São as queixas dos residentes devido aos atrasos das várias obras em curso nas estradas da cidade – obras essas que parecem não ter prazo para acabar, de acordo com o jornal.

 

A política chinesa também merece hoje destaque de primeira no Ou Mun, com uma referência ao início do processo da futura eleição dos deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional – 380 pessoas preenchem requisitos para serem eleitas.

 

Ainda na capa do Ou Mun, destaque também para a fuga de um veículo que atropelou uma pessoa numa passadeira da Avenida Dr. Sun Yat Sen e para a detenção de três pessoas suspeitas de consumo de droga.

 

Já o Va Kio desta terça-feira coloca em foco na primeira página o encontro de Fernando Chui Sai On com Li Wuwei, vice-presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, para troca de impressões sobre a diversificação da economia, por exemplo, através da promoção das indústrias culturais.

 

O Va Kio destaca também hoje as declarações do presidente do Instituto Cultural, Ung Wai Meng, que sublinha a importância do culto de A-Ma para Macau.

 

À semelhança do Ou Mun, o Va Kio também se refere ao início do processo de eleição dos deputados de Macau à Assembleia Popular Nacional – o diário adianta que as inscrições podem ser submetidas até dia 25 de Julho.

 

Ainda no Va Kio, as contas à campanha de adopção de vestuário informal de Verão nos serviços públicos, para promover a conservação energética: “Desligar as luzes durante uma hora pode conversar 26 mil watts de energia.”

 

Rádio Macau em língua chinesa

 

Na manhã informativa do Canal Chinês da Rádio Macau, destaque para os casos de crime, que aumentaram 23 por cento no primeiro trimestre do ano, de acordo com a informação avançada pelo Ministério Público.

 

A Ou Mun Tin Toi informa também que, entre Janeiro e Março, o Ministério Público abriu processos para investigar alegados crimes cometidos por três funcionários públicos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

Há “poucos médicos para cada vez mais doentes”, alerta o Jornal Tribuna de Macau, com base no aviso de um médico do Hospital Conde de São Januário, que diz que “as listas de espera podem começar a engrossar” se os Serviços de Saúde não começarem a contratar mais médicos e enfermeiros. O diário recorda as estatísticas da RAEM referentes ao número de profissionais por cada mil habitantes estão “muito abaixo das médias da OCDE” e acrescenta que, em 2011, a procura por serviços de saúde em Macau foi “muito maior do que em 2010”.

 

Ainda nesta primeira página do JTM, “ensino superior lusófono em debate na RAEM”, “receitas públicas sobem 21,6 por cento” e “hotéis em construção incluem quase dez mil quartos”. O jornal escreve também que foi “recomendada a criação de Governo de ‘coligação’ em Hong Kong” – uma alusão a um relatório do SynergyNet, um think tank da região vizinha.

 

No Hoje Macau, há um cão na imagem de capa, com o título “reformados para sempre”. Segundo o diário, a “ANIMA diz que o Canídromo abate muito mais cães do que revela”: dados da Yat Yuen, que controla o Canídromo, indicam que desde o início do ano foram abatidos 27 cães e outros 110 estão aposentados. A ANIMA, conta o jornal, considera que se trata de “um eufemismo, pois também são mortos”, e “promete avançar com queixa no CCAC”.

 

Ainda na primeira do Hoje Macau, as declarações de Sales Marques sobre o “empréstimo” de 60 milhões em 2004: “Nem a SJM accionou o processo de recuperar o dinheiro, nem a Fundação da Escola Portuguesa de Macau tomou iniciativa de devolvê-lo.”

 

Noutros títulos, destaque para a política: a propósito do Clube Náutico, Melinda Chan quer saber “por que foi dado aquele pedaço de terra”; já Jason Chao, com a presidência renovada à frente da Associação Novo Macau, comenta que só soube que era candidato “no próprio dia”.

 

No Ponto Final, a manchete vai para as afirmações do porta-voz do conselho de administração da Fundação da Escola Portuguesa de Macau. Sob o título “Recebemos dinheiro”, Sales Marques confirma que a fundação recebeu, há vários anos, cerca de 60 milhões de patacas como adiantamento para a mudança de instalações da escola, que contudo nunca se efectivou. O dinheiro, explica o dirigente, “está depositado numa conta bancária” e “é uma dívida para com a SJM, caso o acordo não seja cumprido”.

 

“A voz dos pais” tem hoje honras de primeira página no Ponto Final, que informa que a Associação Promotora da Instrução dos Macaenses (APIM) “tentou novamente retirar a função educativa da casa cor-de-rosa do Jardim de Infância José da Costa Nunes”, para ali abrir um centro de cultura macaense. O diário adiana que os Serviços de Educação e Juventude se opõem, mas a Associação de Pais admite a hipótese, mas só se for “depois das 18h00”.

 

“Táxis a 14 mil patacas por mês” é outro dos destaques da edição de hoje do Ponto Final – uma associação do sector estima que dez por cento dos mais de dois mil candidatos a 200 novas licenças de táxi desistam do concurso, por considerarem que os custos não compensam.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

Na edição desta terça-feira do Business Daily, fala-se na grande pressão que existe sobre o comércio local. O diário financeiro explica que as rendas das lojas têm disparado nas zonas antigas da cidade, em especial junto aos pontos turísticos, e o fenómeno ameaça deixar lugar apenas para estabelecimentos de cadeias de Hong Kong e do estrangeiro.

 

O Business Daily destaca ainda, na primeira página, o aumento de 60 por cento no preço do gás natural – um aumento proposto pelo fornecedor, a Sinosky Energy. Espaço ainda para as “grandes expectativas” a propósito das vendas da Nova Parque, a quarta fase do complexo habitacional da Nova City, e para os resultados de uma sondagem da Universidade de Macau, que mostram que “é oficial: Os visitantes adoram jogar.”

 

No Macau Daily Times, a manchete remete para uma reportagem sobre estrangeiros que vivem em Macau e aprenderam cantonense: “Quatro expatriados são a excepção à regra de ‘viver junto mas separado’.”

 

Na imagem do Macau Daily Times de hoje, há uma criança à beira-mar: “Governo tranquiliza nadadores sobre a limpeza das praias”. O diário alude às declarações da Capitania dos Portos, que garantiu que as praias de Macau são limpas o suficiente para se nadar. Uma garantia que surge, recorde-se, depois de Zhuhai ter emitido um relatório em que alertava para os níveis de poluição nas zonas costeiras de Macau e Zhuhai.

 

Ainda na actualidade local, “dez por cento dos candidatos devem desistir das licenças de táxi”. Já no contexto internacional, destaque para a violência no Myanmar.

 

Hoje não chegou à nossa redacção o Macau Post Daily.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

“Mais um dirigente da banca sob custódia”, escreve o South China Morning Post em manchete. Segundo o jornal, o presidente do Postal Savings Bank of China foi colocado em prisão domiciliária devido a uma investigação que envolve alegados empréstimos ilícitos. O caso, salienta o diário, surge duas semanas depois de um alto dirigente do Agricultural Bank of China ter sido detido pelas autoridades anti-corrupção da China.

 

A violência no Myanmar é outro dos grandes temas em destaque na capa do South China Morning Post, que conta que a ONU está a retirar trabalhadores da região de Rakhine, numa altura em que gangs vagueiam pelas ruas de Sittwe e as forças de segurança vão assumindo posições para travar a violência mortal na zona.

 

Segundo o China Daily, os “tribunais estão mais cautelosos com casos de pena de morte”. O diário escreve que a percentagem de sentenças de morte posteriormente alteradas pelo Tribunal Popular Supremo tem caído desde 2007.

 

Na actualidade internacional, o China Daily destaca um apelo da China à Europa: “União Europeia deve ter mão firme na questão da crise da dívida.” Pequim entende que este é o momento para acções decisivas por parte da Europa e também do G20.

 

Com direito a fotografia, referência ainda ao “grande feito” de Rafael Nadal, que conquistou o Grand Slam francês pela sétima vez – algo inédito na história do ténis.