Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Petição: Novo Macau quer auditoria aos estudos da ERS
Segunda, 04/06/2012

A Associação Novo Macau quer que o Comissariado de Auditoria investigue a relação entre o Governo e a e-Research Solutions, a empresa de sondagens do académico Angus Cheong. Em causa estão vários projectos adjudicados pela Administração à empresa. Os pró-democratas entregaram esta tarde uma petição em que reclamam da sondagem deliberativa encomendada para a revisão das leis de imprensa e de radiodifusão e do inquérito acerca dos autocarros, entre outros estudos.

 

“Em primeiro lugar, esses projectos foram entregues directamente, sem um concurso público. Em segundo lugar, apesar de, num caso, ter havido um concurso público, a proposta mais elevada foi a escolhida”, aponta Jason Chao, o presidente da associação, referindo-se à sondagem deliberativa sobre as leis de imprensa e de radiodifusão. A iniciativa custou aos cofres do Governo mais de 3,5 milhões de patacas – a única adversária da E-Research Solutions no concurso, a Universidade de Macau, pedia menos de meio milhão para fazer o estudo.

 

Mas o presidente da Novo Macau detecta também questões de credibilidade. “Um académico, o professor Chiu, foi questionado pela sua conduta académica em Hong Kong”, denuncia. “Esse suposto académico é um dos membros da equipa da E-Research Solutions. Como é que pode o Governo entregar mais projectos a esta empresa apesar do facto de haver um académico moralmente questionável?”, questiona. Os novos projectos já entregues à E-Research Solutions, revela Jason Chao, têm que ver com o Instituto de Acção Social e com a TDM.

 

Depois, a associação critica ainda os preços praticados pela empresa de Macau. Os pró-democratas recorreram este ano à Universidade de Hong Kong para fazerem um inquérito e a experiência permitiu-lhes constatar algumas diferenças: “Gastámos apenas 70 mil dólares de Hong Kong para esse inquérito. Se compararmos com o dado mais baixo disponível, o preço mais barato para a recolha de uma amostra é 40 por cento mais caro do que o preço que a Universidade de Hong Kong nos pediu para fazer a mesma coisa”. Jason Chao remata dizendo que o prestígio da entidade da região vizinha é maior que o da E-Research Solutions.