Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Sexta-feira)
Sexta, 25/05/2012

O caso do milionário Joseph Lau continua a marcar a actualidade, tanto nos jornais de Hong Kong, como na imprensa de Macau. Os diários em língua chinesa dão também grande destaque ao projecto de habitação pública anunciado ontem pelo Governo.

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O Va Kio dá grande destaque aos dois lotes de habitação pública na Ilha Verde. As obras devem começar ainda este ano e, quando estiver concluído, vai ser o maior empreendimento de habitação pública na península de Macau. Outro tema em foco no Va Kio: os empresários Joseph Lau e Steven Lo, suspeitos de corrupção activa no megacaso Ao Man Long. O Ministério Público confirmou a acusação dos dois magnatas de Hong Kong, refere o jornal.

 

O Ou Mun escolhe também para tema de capa a habitação pública na Ilha Verde. “É o primeiro empreendimento após a conclusão das 19 mil fracções pelo Governo”, salienta o matutino.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi tem estado esta manhã a dar voz ao deputado Ng Kuok Cheong, que tem dúvidas sobre o modo como o Governo está a gerir o planeamento urbano. O deputado da Associação Novo Macau diz que as medidas do Executivo não são suficientes.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily puxa pelo caso de Joseph Lau para manchete. O milionário de Hong Kong, principal accionista da Chinese Estates Holdings, confirmou ser arguido num processo conexo ao de Ao Man Long. A situação está a causar receios entre os compradores de apartamentos do empreendimento La Scala, desenvolvido pela empresa de Joseph Lau em frente ao Aeroporto de Macau. Das 900 fracções, 300 já foram vendidas. Se o projecto não for para a frente, os compradores têm direito a ser compensados, mas a situação pode tornar-se complicada, avisa o jornal. O diário chama também à primeira página o crescimento dos aviões privados: é um mercado que está a florescer em Macau.

 

O Macau Post Daily também dá grande destaque, na primeira página, aos dois empresários de Hong Kong que vão ser julgados em Macau no âmbito do processo Ao Man Long, Joseph Lau e Steven Lo, mas para explicar que as duas regiões não têm acordo de extradição. A outra metade da capa do Macau Post faz-se com a notícia que dá conta da multa de 50 mil patacas aplicada pelo Governo à Reolian. A empresa, vinca o jornal, é a primeira operadora do serviço de transportes públicos a ser punida pelo Executivo. 

 

No Macau Daily Times, lê-se a letras gordas: “Casinos locais evitam melhor a batota do que os norte-americanos”. No destaque com imagem, a propaganda maoista, numa referência ao livro sobre Mao Zedong, de Claude Hudelot, apresentado em Macau na passada quarta-feira.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“DSEJ quer mais aproveitamento no D. José da Costa Nunes”, lê-se no Jornal Tribuna de Macau, que escreve em antetítulo: “Diferentes objectivos para o espaço do jardim de infância”. Outro tema a merecer espaço na primeira página: “Gaming Expo com regresso marcado”.

 

No Ponto Final, a manchete “Baixar imposto não obrigado”. É ainda o debate em torno da carga fiscal aplicada em Macau ao sector do jogo, maior do que noutras jurisdições onde também há casinos. Na falsa manchete, uma imagem do projecto de Cecilia Ho. “Balão de arte” é o título escolhido para a notícia sobre a exposição que retrata os dois mil quilómetros percorridos entre Macau e Yunnan.

 

“Terra de ninguém”, escreve o Hoje Macau para dar conta da ausência da RAEM no relatório da Amnistia Internacional. O jornal chama também à primeira página as declarações de Susana Chou: a ex-presidente da Assembleia Legislativa “queria outra reforma política”.

 

Porque hoje é sexta-feira, o semanário O Clarim é publicado. “Macau rezou pelos irmãos católicos chineses”, é o tema escolhido para manchete. Outros assuntos com chamada de primeira página: “ARTM revoltada” e “APCL fomenta cooperação no Brasil”. 

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

Na manchete do China Daily, um tema que arrisca tornar-se em mais um incidente diplomático entre Pequim e Washington: dezenas de professores do Instituto Confúcio nos Estados Unidos poderão ser obrigados a regressar a casa até 30 de Junho. Uma directiva do Departamento de Estado norte-americano considera que os professores não têm autorização para dar aulas.

 

Na fotografia da primeira página do jornal pertencente ao grupo Diário do Povo, uma mulher desce as escadas de um avião escoltada pela polícia: 126 suspeitos de um caso de fraude chegaram ontem a Pequim, para serem julgados, depois de terem sido detidos pelas autoridades da Malásia e da Tailândia.

 

No South China Morning Post, Macau em destaque, com o caso de Joseph Lau, o milionário de Hong Kong acusado de ter subornado o ex-secretário para os Transportes e Obras Públicas, Ao Man Long. “Magnata nega acusações em Macau”, lê-se em título. A fotografia da primeira página é semelhante à escolhida pelo China Daily, ou seja, mostra-nos um encapuzado acompanhado por dois polícias.

 

“Horror canibal” é o único título da primeira página do Standard, para uma notícia sobre um caso que ocorreu em Yunnan. A polícia teme que 20 rapazes tenham sido mortos e que a carne tenha sido comida ou vendida pelo homicida. Já há um suspeito detido.