Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 22/05/2012

O projecto de habitação pública em Seac Pai Van é a notícia principal dos diários em língua chinesa de Macau. Já na imprensa que se escreve em português, as manchetes são feitas de temas variados, do atraso na contratação de médicos em Portugal às propostas de lei que ainda não chegaram à Assembleia Legislativa, passando pelas intenções do Governo em relação ao apoio judiciário.  

 

Jornais de Macau em língua chinesa (Ou Mun e Va Kio)

 

O projecto de habitação pública em Seac Pai Van, em Coloane, é o tema principal dos dois jornais em língua chinesa mais vendidos em Macau. O Ou Mun escreve que o Instituto de Habitação dá hoje início ao processo de atribuição das fracções. O apartamento mais caro custa cerca de um milhão de patacas. O jornal elenca ainda as vantagens do empreendimento, que vão da utilização de gás natural à possibilidade de reaproveitamento da água. O Va Kio alinha no mesmo sentido, ao afirmar que são “habitações económicas bem equipadas”. No próximo mês, os interessados poderão já visitar um dos lotes.

 

O Va Kio publica ainda na primeira página um caso de polícia invulgar: uma mulher é acusada de perseguir um casal. Dirigiu-se ao apartamento onde o casal vive e acabou por ser agredida pelo elemento masculino, que se entregou mais tarde à polícia.

 

No Ou Mun, em foco também a deslocação de Chui Sai On a Pequim, onde vai assistir à Feira Internacional de Comércio de Serviços. O Chefe do Executivo ruma depois a Sichuan.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

Duas notícias marcam a manhã de notícias da Ou Mun Tin Toi: nos primeiros três meses deste ano, aumentaram os empréstimos hipotecários para habitação; e incêndio numa sala de aulas da Escola São Paulo, um incidente que não fez feridos.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Business Daily escreve em manchete “Jogo de Macau [será] em breve maior do que o dos Estados Unidos”. É a opinião de um analista citado pelo jornal, que acredita que as receitas brutas de 2012 de Macau podem ser iguais ou até mesmo ultrapassar as registadas em todo o mercado norte-americano em 2011. Uma notícia que chega no dia em que, na Venetian, começa a edição deste ano da Global Gaming Expo Asia. Ainda na primeira página, “inflação perto dos sete por cento” e o sector bancário local, que obteve resultados francamente positivos no primeiro trimestre deste ano.

 

O Macau Daily Times também escolhe para título principal uma notícia relacionada com o jogo, mas noutra perspectiva. O jornal cita o jurista Jorge Godinho, que diz que os diplomas ligados à indústria pendentes na Assembleia Legislativa vão ter um impacto “limitado ou temporário”. Em causa estão as propostas de lei que visam a interdição de entrada a menores de 21 anos nos casinos e as limitações ao consumo de tabaco dentro dos espaços de apostas. Na fotografia da primeira página, destaque para um romance lançado por um advogado norte-americano. “Puerto Rico City” é um livro inspirado no desenvolvimento do sector do jogo de Macau.

 

Na primeira página do Macau Post Daily, é publicada a imagem de uma mulher encapuzada. Trata-se de uma imigrante ilegal oriunda da província de Guangxi, de 33 anos, detida no domingo de manhã por alegadamente ter roubado bens no valor de 300 mil dólares de Hong Kong a três homens com quem teve relações sexuais. O que resta da capa é dedicado ao debate de ontem na Assembleia Legislativa: “Deputados pedem calendário para a implementação do Fundo de Previdência Central”.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Serviços de Saúde culpam médicos por atraso”, lê-se na manchete de hoje do Jornal Tribuna de Macau, que se refere à contratação de clínicos portugueses. É um processo “sem fim à vista”, refere o jornal. Na fotografia da primeira página vê-se um avião da Air Asia – é a imagem para o título “Quota das low-cost atinge 30 por cento”. O aeroporto espera gerir 31 destinos a curto prazo, acrescenta o diário.

 

No Ponto Final, “Deputados votam apoiam judiciário”: o Executivo “queria nomear por despacho a Comissão do Apoio Judiciário, que decidirá quem tem direito a receber patrocínio, mas a Assembleia conseguiu chamar a si a votação”. Em falsa manchete, uma fotografia de três dados, para ilustrar um texto sobre o sector do jogo, com o título “Castigo a mais”.

 

O Hoje Macau contou as propostas de lei a entregar este ano à Assembleia, para concluir que, das 13 previstas, apenas chegaram três. “Atrasos acumulam-se, frustrações também”, é o antetítulo para a manchete “O travão do progresso”. A merecer grande destaque na primeira página, uma entrevista a Olga Roriz. A coreógrafa diz que “gostaria de trabalhar em Macau”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily escreve em manchete “Crescimento necessita de novos horizontes”. É o título para a notícia que dá conta das declações do presidente da Câmara de Comércio Internacional. Gerard Worms acredita que a China deve incentivar o consumo interno e concentrar-se nos mercados asiáticos e emergentes, uma vez que as economias desenvolvidas se encontram numa situação crítica. Na fotolegenda da primeira página, a imagem de dois pescadores nitidamente cansados. “Finalmente em casa”, lê-se. Ontem, 28 pescadores chineses regressaram ao Continente depois de terem estado detidos na Coreia do Norte.

 

O South China Morning Post dá hoje atenção à habitação pública na região vizinha. Os arrendatários de apartamentos integrados no esquema da habitação social estão a lidar com aumentos na ordem dos 10 por cento. Em Hong Kong, há 700 mil fracções deste tipo. Depois, destaque para uma notícia de negócios: a cidade foi escolhida para acolher a sede da Infiniti, a marca da Nissan que produz carros de luxo. O apetite por automóveis topo de gama e a proximidade com a China Continental estão entre as razões que levaram a construtora japonesa a fazer esta aposta. É a primeira vez que Hong Kong tem uma sede de uma empresa deste sector.

 

A primeira página do Standard é ocupada com uma notícia sobre o HSBC. O banco reestruturou os planos para Hong Kong e decidiu que, afinal, os cerca de 29 mil postos de trabalho são para manter.