Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Taça de Portugal vista de Macau: “Uma final é uma final”
Domingo, 20/05/2012

Adeptos do Sporting e da Académica juntam-se hoje à noite, no Clube Militar, para acompanhar a final da Taça de Portugal em futebol, que começa à meia-noite (hora local). Longe do Jamor, as análises são consensuais: os leões são favoritos, mas os estudantes não vão querer fazer má figura.

 

O jogo, que ambas as equipas querem ganhar, tem um peso diferente consoante as formações: se o Sporting ganhar, salva uma época conturbada para o clube de Alvalade; se a Académica surpreender o adversário, faz história – desde 1939 que a equipa de Coimbra não leva a taça para casa.

 

"Como sportinguista, a minha expectativa é que o Sporting ganhe a Taça de Portugal. Também é o favorito”, diz o jornalista Jorge Silva. “Mas uma final é uma final”, avisa. E dá o exemplo: “Ainda esta madrugada vimos um claro favorito a jogar em casa, o Bayern de Munique, a perder nas grandes penalidades contra o Chelsea. Uma final é uma final e é essa a beleza do futebol”.

 

O Sporting é uma equipa com “mais argumentos do que a Académica”, acrescenta Jorge Silva, recordando que o clube de Coimbra conseguiu escapar à descida de divisão só na última jornada do campeonato. “Mas quer fazer história, porque há já muito tempo que não estava numa final da Taça de Portugal.” Há 43 anos que os adeptos da Briosa não visitavam o Jamor.

 

Jorge Humberto jogou na formação de Coimbra. O antigo futebolista destaca que, hoje à noite, em causa estão conquistas diferentes. “O Sporting está numa fase final, de recuperação. Saiu lá de baixo, onde estava, e veio subindo pouco a pouco, afirmou-se com o novo treinador”, salienta. “Está entusiasmado, cheio de boa vontade e de esperança de ter um título, porque é daqueles clubes que luta para ter títulos.”

 

Já a Académica encontra-se numa situação diferente: se a vitória acontecer, “é por acaso e é dessa maneira descontraída que vai entrar no campo”. Fica a ressalva de Jorge Humberto: o clube pisa o relvado do Jamor “com vontade de fazer boa figura, claro”.